19 Setembro 2021, 11:09

5G: Licitação principal chega aos 100 dias e propostas somam mais de 320ME

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 04 jun 2021 (Lusa) – A licitação principal no leilão 5G atingiu hoje 100 dias, com as propostas a somarem 320,4 milhões de euros, pela 18.ª vez consecutiva com “sete rondas”, de acordo com o regulador Anacom.


Se o leilão principal, que arrancou há quase cinco meses (14 de janeiro), tivesse terminado hoje, o Estado teria arrecadado mais de 404 milhões de euros (incluindo a licitação dos entrantes de 84,3 milhões de euros), largamente acima do valor indicativo de 237,9 milhões de euros.


No final de março, os serviços comerciais de 5G (quinta geração) estavam já disponíveis em 24 países da UE a 27, sendo que Portugal, cuja presidência da União Europeia termina este mês, ainda não tem.


Na quarta-feira, as propostas tinham atingido 318,7 milhões de euros.


Atualmente, a faixa 3,6 GHz, com 40 lotes, é a única que tem sido alvo de ofertas — mais precisamente desde 05 de março –, com 165,9 milhões de euros, contra 164,1 milhões de euros na sessão anterior.


A atribuição das licenças 5G esteve prevista para o primeiro trimestre, tendo em 08 de abril a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) anunciado a decisão de um procedimento de alteração do respetivo regulamento para acelerar o leilão, o que foi amplamente criticado pelos operadores históricos.


Entretanto, o regulador aprovou no dia 31 de maio um projeto de alteração do regulamento do leilão 5G, de forma a acelerar o processo, tornado viável a realização de 12 rondas diárias, o que também está a ser alvo de contestação dos operadores.


A licitação principal inclui os operadores Altice Portugal (Meo), Nos, Vodafone Portugal e também a Dense Air, e visa a atribuição de direitos de utilização de frequências nas faixas dos 700 MHz, 900 MHz, 2,1 GHz, 2,6 GHz e 3,6 GHz, depois de uma primeira fase exclusiva para novos entrantes.


Desde o quarto dia de licitação, apenas um lote da faixa libertada da TDT (700 MHz) — que tem seis lotes — continua sem qualquer oferta e é o único de todo o leilão.


Assim, na faixa de 700 MHz, o preço de licitação mantém-se nos 19,2 milhões de euros. Ao todo, as ofertas totalizam 96 milhões de euros.


Também na faixa 900 MHz os quatro lotes disponíveis continuam sem apresentar qualquer alteração ao preço de reserva, com a oferta dos operadores a manter-se nos 24 milhões de euros.


A faixa de 2,1 GHz, que era até 18 de janeiro a que tinha apresentado maior interesse, com a oferta a atingir os 10,405 milhões euros (preço base era de dois milhões de euros), subiu no sétimo dia para 10,616 milhões de euros, valor que se mantém até hoje.


Na faixa 2,6 GHz, cujos três lotes totalizaram 23,7 milhões de euros desde 16 de fevereiro até 03 de março, manteve-se hoje o valor da licitação anterior, de 23,9 milhões de euros.


Em fase anterior, tinha decorrido a licitação para os novos entrantes, durante oito dias, que resultou num encaixe de 84,3 milhões de euros no último dia (11 de janeiro).


Os novos entrantes podem beneficiar de ‘roaming’ nacional no acesso às redes dos operadores já instalados, independentemente da qualidade de espectro que adquiram, de acordo com as condições do leilão.


O processo tem sido bastante contestado pelas operadoras históricas, envolvendo processos judiciais, providências cautelares e queixas a Bruxelas, considerando que o regulamento tem medidas “ilegais” e “discriminatórias”, o que incentiva ao desinvestimento.



ALU // CSJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário