26 Janeiro 2022, 20:08

Abrigo dos Pequeninos reabre em 2023 como reserva museológica do acervo do Porto

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

O Abrigo dos Pequeninos, no Porto, encerrado há sete anos, reabre em 2023 como reserva museológica do acervo municipal e com um laboratório que permitirá a conservação e restauro das peças e o estudo de artistas, revelou a autarquia.

Fundando em abril de 1935 para acolher crianças carenciadas, o Abrigo dos Pequeninos, equipamento situado nas Fontainhas, freguesia do Bonfim, deverá reabrir em 2023, adiantou a chefe de divisão municipal de museus da Câmara do Porto.

“As obras arrancaram em outubro e vão durar um ano, portanto, a reserva deverá estar pronta em 2023”, disse Mariana Teixeira.

Encerrado há sete anos, o Abrigo dos Pequeninos vai reabrir como reserva museológica, fruto de “um projeto com dois eixos principais”: a organização das reservas que já existiam e a preparação da transferência do espólio para a nova reserva, esclareceu a responsável pela reorganização das reservas museológicas e docente Maria Aguiar.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Numa visita à reserva municipal de Ramalde, Maria Aguiar revelou que são sete as salas que vão compor aquele espaço, cada qual dedicada a uma tipologia: pintura, têxteis, desenhos, gravuras, metais, mobiliário e uma caixa-forte “para albergar peças de maior valor”.

O Abrigo dos Pequeninos albergará também um laboratório, equipamento que “não é comum a todas as reservas” e que permitirá a conservação e o restauro das peças.

“O laboratório vai permitir, não só através do espaço, mas também das técnicas de conservação e restauro, fazer tratamentos às peças que têm patologias, problemas, sinais de corrosão e fragmentos partidos”, disse a professora da Escola das Artes da Universidade Católica, lembrando que esses tratamentos não são possíveis nas atuais reservas porque implicam a utilização de resinas e solventes.

O laboratório vai ainda impulsionar “o estudo de artistas”, estando preparado para receber alunos não só da área da conservação e restauro, mas também da museologia e da história da arte.

“É algo que faz falta e parece-me que vai ser preenchida, e muito bem, essa lacuna”, notou Maria Aguiar.

O diretor artístico do Museu da Cidade revelou que em curso estão já dois projetos de investigação com o laboratório HÉRCULES, da Universidade de Évora, um relacionado com António Carneiro e outro com Aurélia de Sousa.

“O laboratório permite um trabalho reativo e de investigação. Estes projetos vão permitir um conhecimento mais aprofundado das peças que temos”, salientou Nuno Faria.

Uma área de estudo, um estúdio fotográfico, uma sala de quarentena e outra de tratamento de anoxia, para onde será movida a tenda de tratamento instalada desde maio de 2020 na reserva de Ramalde, serão outros dos espaços que integraram aquela reserva museológica visitável.

Acessibilidade, condições ambientais adequadas, facilidade de limpeza, de circulação e de estudo são características “fundamentais” para que o Abrigo dos Pequeninos possa albergar parte das peças do espólio guardado na reserva de Ramalde, nomeadamente, aquelas cuja relevância permitirá “potenciar a investigação” e cujos materiais se coadunem com o espaço existente.

Em novembro de 2020, a Câmara do Porto lançou o concurso público para a realização das obras de requalificação do edifício do Abrigo dos Pequeninos, com um preço base de procedimento de 1,35 milhões de euros. A gestão da empreitada está a cargo da empresa municipal Domus Social.

Sem comentários

deixar um comentário