18 Janeiro 2022, 00:35

Adalberto sucede a Adalberto na UNITA e “Galo Negro” volta a cantar

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Luanda, 04 dez 2021 (Lusa) — Apitos, cornetas e “ye ye yés” efusivos saudaram hoje a eleição de Adalberto da Costa Júnior (ACJ) no XIII Congresso da UNITA, depois de o dirigente ter sido afastado da liderança do partido por decisão do Tribunal Constitucional (TC).


O TC deu razão, em outubro, a um grupo de militantes que alegaram irregularidades no congresso de novembro de 2019 que elegeu Adalberto da Costa Júnior, nomeadamente o facto de ter nacionalidade portuguesa à data da entrega da candidatura, obrigando a repetir o conclave.


O anúncio da eleição de ACJ, que concorreu sozinho neste ato eleitoral, ao contrário do que sucedeu em 2019 quando derrotou outros quatro candidatos, foi recebido no complexo do SOVSMO, quartel-general do partido do Galo Negro em Luanda, com explosões de alegria.


O anúncio foi feito pelo presidente da Comissão Eleitoral, Africano Pedro Kangombe, quando eram 21:15.


No congresso votaram mais de mil delegados, estando presentes na sala incluindo históricos da UNITA como os generais Kamalata Numa e Lukamba Gato, Alcides Sakala, e o presidente cessante Isaías Samakuva, que voltou à liderança do partido na sequência da destituição de ACJ.


O ato foi acompanhado também por convidados portugueses como o socialista Joao Soares e o chefe de missão adjunto da Embaixada de Portugal em Angola, José Correia, bem como diplomatas de outros países e representantes de outros partidos angolanos, como Justino Pinto de Andrade do Bloco Democrático.


A eleição de ACJ foi o culminar do terceiro e último dia do congresso, que teve inicio na quinta-feira.


 


RCR // MSP


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário