15 Maio 2022, 07:51

Afeganistão: Talibãs culpam comunidade internacional pela crise económica

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Cabul, 19 jan 2022 (Lusa) — O regime talibã afegão acusou hoje a comunidade internacional de conduzir o Afeganistão a uma das piores crises económicas e humanitárias da sua história e apelou aos países muçulmanos para reconhecerem o poder em Cabul.


Naquela que foi a primeira conferência de imprensa de cariz económico desde que os talibãs chegaram ao poder, em agosto de 2021, o primeiro-ministro interino afegão, Mohammad Hassan Akhund, acusou a comunidade internacional por não ter prestado uma “assistência fundamental” ao país asiático durante as duas últimas décadas de conflito.


“Nos últimos 20 anos, a comunidade internacional não deu assistência fundamental para [a criação de] uma economia sustentável no Afeganistão”, argumentou Akhund, que acusou ainda a comunidade internacional de “precipitar a crise económica e humanitária no Afeganistão ao suspender os fundos para a reconstrução do país após a captura de Cabul, a 15 de agosto de 2021.


Nesse sentido, Akhund pediu aos países islâmicos que reconheçam o Governo talibã, pois considera que o país cumpriu “todas as condições necessárias” de segurança.


“Peço aos países muçulmanos que sejam pioneiros e nos reconheçam oficialmente. Espero possamos desenvolver-nos rapidamente”, afirmou.


Diante do temor de que uma possível retoma da ajuda internacional, que financiou quase 80% do orçamento afegão, acabaria por beneficiar o regime, o primeiro-ministro interino insistiu em distinguir o Governo de Cabul do povo afegão.


“Nós [o Governo], não queremos a ajuda de ninguém. Não queremos isso para os responsáveis [do regime]. Precisamos disso para o nosso povo”, argumentou, salientando que os talibãs “cumpriram” as condições para o reconhecimento, trazendo de volta a paz e segurança.


Pouco mais de cinco meses depois de os talibãs tomarem o poder em Cabul, nenhum país reconheceu ainda o Governo talibã. 


A comunidade internacional aguarda para ver como os fundamentalistas islâmicos pretendem governar o Afeganistão, depois de terem amplamente desrespeitado os direitos humanos na sua anterior passagem pelo poder (1996/2001).


Embora os talibãs afirmem que estão a modernizar-se, as mulheres continuam em grande parte excluídas do emprego público e as escolas secundárias para raparigas continuam quase todas fechadas.


Na conferência de imprensa, o vice-primeiro-ministro do Afeganistão, Abdul Salam Hanafi, acrescentou que a assistência da comunidade internacional nas últimas duas décadas “tem sido política” e que, com a mudança de Governo, “a actividade quase cessou” no país.


“O nível de dependência do Afeganistão nos últimos 20 anos foi insuportável, já que 75% dos gastos públicos do Governo anterior foram financiados por fontes externas, [fundos] obtidos com condições muitas vezes políticas”, afirmou Hanafi, ao retomar o tema lançado por Akhund.


Hanafi, no entanto, esclareceu que o Governo talibã, composto quase inteiramente por membros do grupo étnico pashtun, “não sacrificará a independência económica do país para cumprir as condições dos doadores”.


Por seu lado, a enviada das Nações Unidas para o Afeganistão, Deborah Lyons, igualmente presente na conferência de imprensa, defendeu que a comunidade internacional precisa, primeiro, ver mulheres e raparigas a participarem e a integrarem a sociedade afegã para que se possa reconhecer o regime talibã.


Lyons enfatizou que a ONU está a negociar com os países doadores do Afeganistão a retoma dos fundos de ajuda e a suspensão das sanções, para que os problemas económicos enfrentados pelo país possam ser reduzidos em breve.


Mesmo assim, o regime talibã acredita que a ajuda humanitária “é uma solução económica de curto prazo”, uma vez que as “necessidades reais” do Afeganistão passam pelo investimento para “implementar projetos de infraestruturas” para apoiar a criação de uma economia sustentável, disse, por sua vez, o chefe da diplomacia do regime talibã, Amir Khan Mutaqi.


A situação humanitária no Afeganistão sofreu uma reviravolta dramática desde agosto, quando os talibãs encontraram os cofres quase vazios, após o que a ajuda internacional cessou e os Estados Unidos congelaram 9.500 milhões de dólares (cerca de 8.370 milhões de euros) em ativos do Banco Central Afegão.


Muitos funcionários públicos não recebem salário há meses, o desemprego disparou e, segundo uma estimativa divulgada hoje pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), mais de meio milhão de afegãos perderam o emprego no terceiro trimestre de 2021, com as mulheres a serem particularmente afetadas, pois a taxa de emprego caiu 16% neste período.


A fome agora ameaça 23 milhões de afegãos, ou 55% da população, segundo a ONU, que precisa de 4.400 milhões de dólares (cerca de 3.880 milhões de euros) dos países doadores só este ano para enfrentar a crise humanitária no país.


O pedido de ajuda das Nações Unidas até agora foi pouco seguido, com diplomatas de todo o mundo ainda à procura de formas para canalizar ajuda para a economia afegã, mas sem apoiar o Governo, que inclui muitos membros sob sanções internacionais.


O respeito pelos direitos das mulheres e um executivo que reflita a diversidade do Afeganistão estão entre as condições exigidas pelos doadores para a retoma da ajuda internacional.


 


JSD // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário