13 Maio 2022, 16:41

Álbum “Cantigas do Maio” de José Afonso foi o mais vendido em Portugal no final de abril

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O álbum “Cantigas do Maio”, de José Afonso, foi o mais vendido em Portugal no final de abril, e a música “Grândola, Vila Morena” é das mais escutadas do repertório do cantautor em ‘streaming’, revelou a editora Mais 5.

“Cantigas do Maio”, de 1971, foi reeditado em abril, no âmbito de plano de disponibilização da música de José Afonso em CD e vinil e, pela primeira vez, em digital nas plataformas de ‘streaming’.

Nuno Saraiva, responsável pela editora Mais 5, explicou à agência Lusa que “Cantigas do Maio” foi o álbum mais vendido em Portugal na semana em que foi reeditado – entre 22 e 28 de abril – vendendo cerca de um milhar de unidades, em CD e em vinil.

Gravado em 1971 no Strawberry Studio, em Herouville, França, com arranjos e direção musical de José Mário Branco, “Cantigas do Maio” contém nove temas, entre os quais “Grândola, Vila Morena”, que poucos anos depois foi uma das senhas da revolução de 25 de abril de 1974.

Da música de José Afonso que já está disponível nas plataformas de ‘streaming’, como Spotify, Deezer e Youtube, “Grândola, Vila Morena” é das mais escutadas. A título de exemplo, no Spotify, a música soma mais de 190.000 audições.

Segundo Nuno Saraiva, além de Portugal, aquela música foi mais escutada ‘online’ em Espanha, França, Brasil e Alemanha.

Na página oficial na Internet, a Associação José Afonso vai contabilizando os caminhos da obra discográfica de José Afonso, revelando que, em todo o mundo, foram já feitas, tocadas ou gravadas 838 versões de canções de Zeca Afonso.

A que tem mais versões é “Grândola, Vila Morena”, com 49 novas interpretações, de artistas portugueses e estrangeiros, do pop rock à música clássica.

A propósito desta música, na origem está um poema que José Afonso dedicou ao povo de Grândola, depois de ter atuado na Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense em maio de 1964.

O poema original sofreria uma adaptação anos depois, na gravação para o álbum “Cantigas do Maio”. O tema foi registado com os passos de José Mário Branco e Francisco Fanhais em gravilha, para simular o som dos grupos corais alentejanos.

Para a gravação do álbum, foi convocada uma parafernália de instrumentos, como violas, flautas, trompete, baixo, percussão, ferrinhos, maracas e reco-reco, como se lê nas notas do arquivo de José Mário Branco disponibilizadas ‘online’.

No entanto, para “Grândola, Vila Morena”, as notas de produção referem apenas “vozes, passos” e a indicação “canção ao gosto alentejano”.

Estando agora disponível em ‘streaming’ para todo o mundo, “Grândola, Vila Morena” foi tocada ao vivo por José Afonso pela primeira vez, segundo os registos oficiais, a 10 de maio de 1972 em Santiago de Compostela, na Galiza.

De acordo com o plano editorial de reedição dos álbuns de José Afonso, a 27 deste mês é relançado “Eu Vou Ser Como a Toupeira” (1972), seguindo-se “Venham Mais Cinco” (1973) a 24 de junho.

A partir de setembro, e até ao final do ano, sairão “Coro dos Tribunais” (1974), “Com as Minhas Tamanquinhas” (1976), “Enquanto há Força” (1978) e “Fura Fura” (1979), disse Nuno Saraiva.

A 30 de maio, a obra de José Afonso também começará a ser editada, em formato físico, na Alemanha.

Sem comentários

deixar um comentário