16 Agosto 2022, 02:02

Alexei Navalny denuncia que Kremlin não o deixa falar ao telefone com familiares

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O opositor russo Alexei Navalny denunciou hoje que os guardas da prisão de alta segurança em que se encontra não lhe permitem falar com os familiares e acusou o Kremlin de tal ter ordenado.

“No Kremlin e no sistema penitenciário há gente divertidamente astuta. Acreditam que são os reis do engano. Não me deixam ligar nem à minha esposa nem à minha mãe”, afirmou em mensagem publicada na sua conta na rede social Telegram.

Navalny, que está a cumprir sentença no centro penitenciário n.º 6 de Melekhovo, na região de Vladimir, a este de Moscovo, contrapôs que “todos os outros presos podem telefonar aos familiares regularmente, mas a mim não me deixam”.

Navalny, de 46 anos, explicou que a tática reside em organizar o horário da chamada telefónica de tal forma que lhe seja impossível fazê-la.

“Por exemplo retêm o advogado cinco horas à entrada da prisão, e pouco tempo depois dizem-me ‘É a sua vez de fazer um telefonema. Pode faltar à reunião com o advogado’, detalhou, realçando que o obrigam a escolher entre falar com os seus representantes jurídicos ou a família.

Pelo visto, ironizou, “esta é uma operação carcerária especial”, aludindo à forma como Putin designou a invasão da Ucrânia, uma ‘operação militar especial’, a qual critica constantemente.

O opositor recordou que muitos outros e também dissidentes soviéticos tinham sofrido a mesma experiência nas prisões da URSS, mas assinalou que agora “sente-se o apoio dos que estão livres”.

Sem comentários

deixar um comentário