04 Fevereiro 2023, 12:30

Alijó investe 500 mil euros e transforma edifício histórico em centro de negócios

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A Câmara de Alijó iniciou hoje as obras de requalificação de um edifício emblemático, no centro da vila, num investimento de meio milhão de euros para a instalação de uma incubadora de empresas e um centro de negócios.

O presidente da Câmara de Alijó, José Paredes, afirmou que a intervenção visa também devolver as características originais do “Café da Paz”, instalado no rés do chão do edifício e que, ao longo dos anos, foi sendo descaracterizado.

O investimento ronda o meio milhão de euros e conta com financiamento de 85% do Plano de Ação para a Regeneração Urbana (PARU).

“Esta nova infraestrutura municipal representa um investimento na criação de condições de instalação e apoio a empreendedores e jovens empresas nas suas primeiras etapas de vida”, afirmou o autarca.

No rés do chão permanecerá o “Café da Paz” e, nos andares superiores, será instalado um espaço de ‘coworking’ e um outro será destinado à incubação de empresas.

Pretende-se, segundo José Paredes, criar condições para ajudar à instalação de novas empresas, à criação de emprego e à fixação de pessoas neste concelho do distrito de Vila Real.

“Proporcionar um local de trabalho, com todas as condições para quem necessitar. Os nómadas digitais terão também ali o seu espaço. Mas sobretudo criar um espaço onde empresas tenham um espaço adequado para desenvolver os seus negócios”, frisou.

Relativamente ao “Café da Paz”, José Paredes explicou que se trata de um “espaço emblemático” na vila e que está em funcionando deste o tempo da Segunda Guerra Mundial”.

“E o nome veio exatamente desse período, em que as pessoas não tinham muitos meios para tomarem conhecimento das notícias da guerra e era ali, via rádio, que se reuniam para ouvir as notícias e para discutiram assuntos de política, quer local quer nacional”, contou.

A empreitada teve início hoje e prevê-se que se prolongue por 10 meses.

Sem comentários

deixar um comentário