11 Agosto 2022, 02:05

AMP vai começar a “preparar a transição” entre rodoviárias a partir de setembro

© AMÂNDIA QUEIRÓS | MUNDO ATUAL
LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O presidente da Área Metropolitana do Porto (AMP), Eduardo Vítor Rodrigues, disse hoje à Lusa que quer “preparar a transição” entre rodoviárias a partir de setembro, congratulando-se com o fim das barreiras jurídicas ao concurso público de autocarros.

“A partir de setembro, temos de começar todos, de forma responsável e profissional, a preparar a transição”, disse hoje à Lusa o também presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Eduardo Vítor Rodrigues congratulou-se com a decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) do Porto que levantou o efeito suspensivo de uma segunda impugnação apresentada ao concurso público de transporte público rodoviário, permitindo ao processo avançar.

De acordo com a decisão de quarta-feira, a que a Lusa teve hoje acesso, o TAF decidiu levantar o efeito suspensivo da impugnação da Valpi, Gondomarense e Pacense, atuais operadores que perderam o concurso, “atenta a indiscutível relevância da prestação de serviços em causa para todos os seus utentes”.

“Tinha havido uma primeira decisão relativamente ao lote 04 [Gaia e Espinho], que parecia de tal maneira robusta que facilmente teria sequência”, comentou hoje o presidente da AMP, referindo-se a uma primeira decisão de 21 de julho, pedindo que “cada um tire as suas conclusões” após estarem “dirimidos todos os processos judiciais” e “com ganhos” para a AMP.

Para Eduardo Vítor Rodrigues, “a área metropolitana, o presidente da área metropolitana, os seus técnicos, estiveram muito em jogo no questionamento da competência do concurso e na qualidade do concurso”.

“Julgo que não há nenhum concurso em Portugal que tenha sido sujeito a tanta impugnação e a tanta verificação judicial”, lamentou ainda, dizendo que “é pena, para as pessoas, o tempo que se perdeu nisto tudo”.

O autarca de Gaia disse à Lusa que, após receber formalmente a notificação do TAF, o próximo passo da AMP é a “assinatura dos contratos para enviar a visto do Tribunal de Contas”.

“Todos os operadores que venceram os diferentes lotes estão disponíveis e empenhados na assinatura do contrato”, garantiu, dizendo ainda que não há “nenhum problema, até do foro económico-financeiro”.

Quanto à apresentação da futura rede e da nova imagem dos autocarros da área metropolitana, Eduardo Vítor Rodrigues recusou “antecipações”, dizendo que o que dá à AMP “o título para arrancar com esse processo é o visto do Tribunal de Contas”, após o qual, se favorável, se iniciará o processo de transição, permintindo, aí sim, “ver a nova imagem”.

Para a AMP, “o que é importante é que o serviço melhore e que as pessoas fiquem melhor servidas”, disse o autarca gaiense.

A Lusa contactou fonte dos operadores que impugnaram o concurso e aguarda resposta.

Na semana passada, Eduardo Vítor Rodrigues considerou que o o prazo “ideal” para a nova rede de autocarros começar a funcionar na AMP é o final do primeiro semestre de 2023.

O concurso público de 394 milhões de euros, adjudicado por 307,6 milhões, acaba com um modelo de concessões linha a linha herdado de 1948 e abrange uma nova rede uniformizada de 439 linhas, incluindo bilhete Andante, com a frota de autocarros a dever apresentar “uma imagem comum em todo o território”.

A AMP lançou, em janeiro de 2020, o concurso público para a concessão do serviço de transporte público de passageiros em 16 municípios, organizado em cinco lotes, com exceção do Porto, onde a Sociedade de Transportes Coletivos de Passageiros (STCP) opera em exclusividade.

No lote Norte Poente (Póvoa de Varzim e Vila do Conde) venceu a empresa Auto Viação do Minho, no lote Norte Centro (Trofa, Maia, Matosinhos) a Barranquense e no Norte Nascente (Santo Tirso, Valongo, Paredes, Gondomar) a Nex Continental Holdings.

No lote Sul Poente (Gaia e Espinho) venceu a Feirense/Bus On Tour, enquanto no lote Sul Nascente (Santa Maria da Feira, São João da Madeira, Arouca, Oliveira de Azeméis e Vale de Cambra) venceu a empresa Xerpa Mobility.

Tags

Sem comentários

deixar um comentário