08 Setembro 2022, 22:41

ANEPC admite situação complexa na Serra da Estrela e meteorologia desfavorável

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O comandante nacional de Emergência e Proteção Civil reconheceu hoje que a situação na Serra da Estrela, onde lavra um incêndio há mais de uma semana, se mantém complexa e as previsões meteorológicas são desfavoráveis.

“Neste momento, a ocorrência encontra-se ativa. É um incêndio bastante partido, com grande potencialidade de ter novas aberturas e novas frentes”, disse André Fernandes.

O comandante nacional fez hoje pelas 12:00 um ponto de situação sobre os incêndios em Portugal na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) em Carnaxide, concelho de Oeiras (Lisboa), destacando o incêndio que deflagrou no dia 06 de agosto em Garrocho, no concelho da Covilhã, e se alastrou para outras zonas da Serra da Estrela.

Reconhecendo que as características da zona dificultam o combate, explicou que a situação é complexa e que a prioridade é a estabilização do incêndio, um trabalho que disse ser difícil também devido às previsões meteorológicas desfavoráveis.

“A estratégia que está definida é aproveitar as janelas de oportunidade existentes para estabilizar a progressão do incêndio”, afirmou.

Ao final da manhã estavam no terreno 1.049 operacionais, com 21 grupos de reforço dos corpos de bombeiros, 160 operacionais da força especial de proteção civil, 96 agendes das companhias da Guarda Nacional Republicana.

Sem comentários

deixar um comentário