26 Setembro 2021, 12:48

Angola acredita que Guiné Equatorial está “a fazer a sua parte” para abolir pena de morte

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 17 jun 2021 (Lusa) — O ministro das Relações Exteriores de Angola, Téte António, afirmou hoje que acredita que a Guiné Equatorial está “a fazer a sua parte” para abolir a pena de morte, medida que subscreveu aquando da sua adesão à CPLP.


“O país está consciente das exigências da organização, incluindo os valores da organização, portanto o nosso dever é continuar a ajudar que todos os Estados-membros cumpram com os valores que a organização defende, e eu acredito que a Guiné Equatorial está a fazer a sua parte para que venha a cumprir com este critério, que é um critério importante para a nossa organização”, afirmou o Téte António numa conferência de imprensa na sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Lisboa.


Em declarações à comunicação social, após um encontro com o secretário-executivo da CPLP, Francisco Ribeiro Telles, realizado no quadro de preparação da XIII Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da organização, o chefe da diplomacia angolana sublinhou que a abolição da pena de morte na Guiné Equatorial “é um trabalho que vai em progresso”.


“Vamos ajudar os países que ainda não fizeram os passos positivos nesse sentido, a fazê-los”, sublinhou.


A abolição da pena de morte era uma das medidas previstas no roteiro de adesão do país como membro efetivo da CPLP, em 2014, mas tal ainda não aconteceu.


Desde a sua independência de Espanha, em 1968, a Guiné Equatorial tem sido considerada pelos grupos de direitos humanos como um dos países mais repressivos do mundo, devido a alegações de detenção e tortura de dissidentes e de fraude eleitoral.


Obiang, que tem liderado o país desde 1979, é o Presidente em funções há mais tempo em todo o mundo.


A CPLP integra Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.



JYO // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário