06 Dezembro 2022, 19:38

Antigo futebolista Ryan Giggs vai voltar a ser julgado por violência doméstica

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O ex-futebolista internacional galês Ryan Giggs vai responder em tribunal pela segunda vez por assédio sexual e violência doméstica, depois de um tribunal de Manchester não ter pronunciado um veredicto no primeiro julgamento, disse hoje fonte judicial.

Numa curta audiência, em Manchester, um juiz indicou que o segundo julgamento de Ryan Giggs deverá começar em 31 de julho de 2023 e durar cerca de quatro semanas.

Em 31 de agosto, o julgamento de Giggs por assédio sexual e violência doméstica terminou sem veredicto, porque o júri não chegou a consenso sobre a culpabilidade do antigo jogador do Manchester United.

Após três semanas de audiências e 23 horas de deliberação — no decurso de vários dias -, a juíza Hilary Manley dispensou o júri de um tribunal de Manchester que deveria pronunciar um veredicto sobre as acusações a Giggs, por crimes contra a ex-mulher e a irmã desta.

O caso levou à demissão de Giggs do cargo de selecionador do País de Gales, em junho, apesar de não desempenhar, efetivamente, essas funções desde novembro de 2020, quando as acusações foram tornadas públicas.

“Tal como já foi tornado público, declarei-me inocente das acusações criminais que enfrento no tribunal de Manchester. Apesar de ter confiança no processo judicial, teria gostado que o caso se encerrasse antes, para poder seguir com as minhas responsabilidades como treinador”, disse Giggs, na altura.

Sem comentários

deixar um comentário