10 Setembro 2022, 01:36

Auchan diz que houve “aumento significativo da venda de gelo” mas afasta para já racionamento

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 04 ago 2022 (Lusa) – A Auchan Retail Portugal confirmou à Lusa que houve um “aumento significativo da venda de gelo” este ano e que o seu fornecedor manifesta “alguma dificuldade” de produção e entrega, mas afasta para já medidas de racionamento.


Os supermercados em Espanha estão a limitar o número de embalagens de gelo que vendem por cliente, tendo em conta a escassez deste produto devido à maior procura por causa do calor e à menor produção provocada pelos preços da eletricidade.


Contactada pela Lusa sobre este tema, fonte oficial da Auchan Retail Portugal afirmou que “existe, efetivamente, um aumento significativo da venda de gelo” este ano.


“Podemos afirmar que o nosso fornecedor já manifesta alguma dificuldade de produção/entrega, mas, para já, não sentimos necessidade de racionamento”, acrescentou a mesma fonte.


O Pingo Doce não tem prevista “qualquer restrição” à venda de gelo nas suas lojas e o Intermarché desconhece qualquer “racionamento de produtos” no mercado português, disseram hoje à Lusa fontes oficiais das cadeias de supermercados.


Fonte oficial da cadeia de supermercados do grupo Jerónimo Martins disse que “o Pingo Doce não está a limitar a venda de gelo nas suas lojas, não estando prevista qualquer restrição”.


Sobre o mesmo assunto, fonte oficial do Intermarché salientou que o “grupo Os Mosqueteiros, incluindo a sua insígnia de comércio alimentar Intermarché, é composto por chefes de empresa independentes que gerem as suas lojas de acordo com o contexto das regiões onde estão inseridos”.


Assim, “centralmente não temos conhecimento de racionamento de produtos, nos quais se incluem as embalagens de gelo”, acrescentou a mesma fonte.


A Lusa contactou outras cadeias de supermercados, aguardando ainda respostas.


O racionamento na venda de gelo — e o desaparecimento do produto de supermercados e gasolineiras – chegou quando se esgotaram as reservas do produto, resultado de uma “tempestade perfeita” em que se juntaram o aumento dos preços da eletricidade e as ondas de calor que afetam Espanha desde junho, segundo os empresários.


A produção de gelo, com vista a responder à habitual procura de verão, começa a fazer-se nos meses iniciais do ano, mas em 2021, o aumento do preço da eletricidade gerou custos de fabrico e armazenamento que levaram a parar as fábricas.


A inflação em Espanha foi de 10,8% em julho, o valor mais alto em 38 anos, desde setembro de 1984.



ALU/(MP) // EA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário