15 Agosto 2022, 23:01

Austrália substitui Rússia na organização dos Mundiais de natação de piscina curta

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

A Austrália vai substituir a Rússia na organização em dezembro dos Mundiais de piscina curta, informou hoje a Federação Internacional da Natação (FINA).

Melbourne receberá a competição entre 13 e 18 de dezembro, em substituição da cidade de Kazan, à qual foi retirada a organização, no âmbito das sanções desportivas impostas à Rússia face à invasão da Ucrânia.

“Estamos incrivelmente agradecidos aos nossos anfitriões, por terem dado um passo em frente no sentido de acolherem este prestigiado evento”, sublinhou em comunicado o presidente da FINA, Husain al-Musallam.

Os atletas, treinadores e dirigentes da Rússia, bem como os seus aliados da Bielorrússia, foram também excluídos dos Mundiais de natação, que têm início em 17 de junho, em Budapeste.

Algumas equipas, nomeadamente da Alemanha e Suíça, tinham afirmado que boicotariam os campeonatos caso a FINA permitisse que os nadadores russos e bielorrussos participassem na condição de neutros.

A invasão russa, em 24 de fevereiro, justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia, foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU indicou que mais 3.800 civis morreram e mais de 4.200 ficaram feridos, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.

Sem comentários

deixar um comentário