10 Setembro 2022, 02:01

Aviões chineses violam zona de defesa e mísseis sobrevoam Taiwan

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Mais de duas dezenas de aviões de combate chineses terão violado hoje a zona de defesa aérea taiwanesa, afirmou o Ministério da Defesa de Taiwan, território que enfrenta represálias de Pequim devido à visita da representante norte-americana Nancy Pelosi.

Os aviões de guerra chineses foram detetados em incursões breves no espaço aéreo pelos sistemas de defesa antiaérea taiwanesa.

O Japão alega que cinco mísseis balísticos chineses terão atingido a sua zona económica exclusiva e que quatro terão sobrevoado território de Taiwan.

Tóquio pede o fim das manobras militares chinesas em torno de Taiwan e reclamou junto da China através dos canais diplomáticos.

O ministro dos Negócios Estrangeiros japonês, Yoshimasa Hayashi, disse aos jornalistas que “as ações da China têm um grave impacto na paz e na estabilidade da região”.

Falando em Phnom Penh, no Camboja, onde participa numa reunião da associação ASEAN, que junta os países do sudeste asiático, o ministro salientou que é a primeira vez que mísseis chineses atingem águas japonesas e pediu “o fim imediato destas manobras militares”.

As manobras militares chinesas surgem em resposta à visita a Taiwan da líder da Câmara dos Representantes norte-americana (câmara baixa do Congresso dos Estados Unidos), Nancy Pelosi, vista pela China como uma grave provocação.

O Governo chinês respondeu nos últimos dias com sanções económicas a Taiwan.

Washington tem também um porta-aviões e outro equipamento naval na região.

O início das manobras militares da China levou o Ministério da Defesa de Taiwan a afirmar que se está a preparar para a guerra.

Pequim reclama a soberania sobre a ilha e considera Taiwan uma província separatista desde que os nacionalistas do partido Kuomintang se retiraram para a ilha em 1949, depois de perderem a guerra civil contra os comunistas.

Sem comentários

deixar um comentário