05 Fevereiro 2023, 10:58

Bactéria ‘Xylella Fastidiosa’ detetada na Lousã e em Sintra

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A bactéria ‘Xylella Fastidiosa’ foi detetada num novo local na freguesia de Gândaras, no concelho da Lousã, bem como na região de Colares, Sintra, tendo sido atualizada a zona demarcada, foi hoje anunciado.

“A presença de ‘Xylella Fastidiosa’, da subespécie multíplex, foi laboratorialmente confirmada num novo local da freguesia de Gândaras, concelho da Lousã, distrito de Coimbra”, em amendoeiras, indicou, em comunicado, a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP).

Neste sentido, a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) atualizou a zona demarcada, que abrange Gândaras, a União de Freguesias de Lousã e Vilarinho, União de Freguesias de Foz de Arouce e casal de Ermio.

Esta bactéria foi também confirmada numa amostra de alfazema na freguesia de Colares, em Sintra.

A zona demarcada em Colares, que abrange a zona infetada e a zona tampão, inclui Colares e a União de Freguesias de Sintra (Santa Maria e São Miguel, São Martinho e São Pedro de Penaferrim).

Por sua vez, a zona demarcada da Área Metropolitana de Lisboa também foi alterada, face a quatro focos de infeção nos concelhos de Amadora, Cascais, Oeiras e Sintra.

Nesta zona, foram identificadas plantas de alecrim, oliveira do paraíso e oliveira silvestre infetadas.

Em causa está uma bactéria transmitida pelo inseto ‘Philaenus spumarius’ (vulgarmente conhecido como cigarrinha-da-espuma), que se alimenta do xilema das plantas e cujo ciclo se inicia na primavera.

A bactéria afeta um elevado número de espécies de plantas ornamentais e também espécies de culturas como a oliveira, a amendoeira, a videira ou a figueira.

Em 18 de janeiro de 2019, Portugal informou oficialmente a Comissão Europeia da presença da bactéria ‘Xylella Fastidiosa’ em plantas de lavanda no jardim de um ‘zoo’ em Vila Nova de Gaia, no Porto, conforme disse à Lusa, na altura, uma fonte comunitária.

Sem comentários

deixar um comentário