28 Setembro 2021, 04:52

Banco central da China tenta impedir valorização da moeda

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Pequim, 01 jun 2021 (Lusa) – O Banco Popular da China está a tentar conter o aumento da taxa de câmbio do yuan, retrocedendo nos esforços para reduzir o controlo sob a moeda chinesa e torná-la mais flexível e orientada para o mercado.


Na segunda-feira, os bancos comerciais foram obrigados a manter mais moeda estrangeira como reserva no banco central, para limitar as vendas, depois de o yuan atingir o valor mais alto, em quatro anos, de 6,3674 por dólar norte-americano.


O Banco Popular da China está a tentar dissuadir os especuladores depois de o yuan ter subido cerca de 12%, em relação ao dólar norte-americano, desde maio.


Em 2015, o Partido Comunista da China disse que planeava fazer do yuan uma “moeda livremente negociável e utilizável”, mas manteve os controlos em vigor, devido à preocupação com as oscilações na taxa de câmbio e ao fluxo de dinheiro para dentro e para fora da segunda maior economia do mundo.


“Parece que o banco central ainda quer manter a ideia de liberalização da taxa de câmbio”, disse Iris Pang, da instituição financeira ING, num relatório.


“Isto é difícil de conseguir se o banco central não gosta de especuladores”, disse Pang. “Um mercado consiste em utilizadores de câmbio e investidores, incluindo especuladores”, descreveu.


A ordem de segunda-feira aumentou o valor das reservas em moeda estrangeira que os bancos devem manter em depósito no banco central de 5% para 7%.


O aumento é um “forte sinal” de que a liderança chinesa está “cada vez mais desconfortável” com a velocidade da subida do yuan, apontou o grupo Macquarie num relatório.


A subida no valor do yuan ameaça tornar os produtos da China mais caros nos mercados estrangeiros, o que constitui um obstáculo para o setor manufatureiro do país asiático.


Um yuan mais forte tornaria o petróleo importado, minério de ferro e outras matérias-primas mais baratos para os fabricantes chineses, após um aumento nos preços globais das matérias-primas.


Mas a ordem de segunda-feira sugeriu que os reguladores estão menos preocupados com isso do que com a estabilidade financeira.


Em 2017, o banco central apertou o controlo sobre as negociações, para impedir uma queda no valor do yuan, após uma mudança no mecanismo usado para determinar a sua taxa de câmbio controlada pelo Estado ter desencadeado uma desvalorização da moeda.



JPI // MSF


Lusa/Fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário