03 Julho 2022, 23:58

Banco Central eleva projeção de inflação no Brasil para 7,1% em 2022

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

São Paulo, 24 mar 2022 (Lusa) — O Banco Central do Brasil indicou que o país vai superar, pelo segundo ano consecutivo, a meta inflacionária em 2022, elevando a sua previsão de 4,7% para 7,1%, segundo o Relatório de Inflação divulgado hoje.


A meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CNM) do Brasil em 2022 é de 3,5%, com uma tolerância de oscilação de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.


O cálculo trimestral da entidade emissora, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), índice oficial de inflação do país, tem uma probabilidade entre 88% e 97% de que os preços terminem o ano com um valor 7,1% superior.


A subida dos preços das matérias-primas, que tem impacto nos preços dos combustíveis, é a principal causa desse aumento da inflação no país, segundo o Banco Central brasileiro.


“A principal pressão sobre a inflação ao consumidor no próximo trimestre será devido aos preços dos combustíveis, refletindo a recente alta dos preços do petróleo”, frisou o relatório.


Assim, “os reajustes dos preços dos produtos farmacêuticos, muito influenciados pela inflação passada, também devem ter uma contribuição importante” para o incumprimento da meta de inflação, acrescentou o banco central brasileiro.


O impacto da guerra entre Rússia e Ucrânia também foi considerado no cenário, principalmente devido ao aumento significativo do preço dos alimentos, pois a cadeia produtiva será afetada, principalmente considerando que o Brasil é uma potência agrícola.


O Brasil depende da importação de fertilizantes, em grande parte de países em conflito, para garantir a sua produção agrícola e exportações.


A guerra na Ucrânia, considerada órgão emissor brasileiro, também afetará a cadeia produtiva industrial.


“Os preços dos bens industrializados deverão continuar a apresentar uma subida relevante, apesar da redução das taxas de impostos, devido à persistência de pressões nas cadeias de abastecimento e aos preços das matérias-primas agravados pelo conflito”, sublinhou.


A desvalorização do dólar face ao real e a redução do preço da energia – devido à superação da crise hídrica – planeadas pelo Governo devem ajudar a evitar que a inflação atinja níveis superiores aos já considerados no cenário atual.


Num cenário com o preço internacional do petróleo ajustado, o Banco Central brasileiro considera que a inflação seria de 6,3%, ainda acima da meta estimada.


O Brasil encerrou 2021 com inflação de 10,06%, a maior dos últimos seis anos, e com o impacto da pandemia de coronavírus SARS-CoV-2 na economia.


Para prourar atingir a meta de inflação, ou pelo menos se aproximar dela, o Comité de Política Monetária do Banco Central (Copom) vem elevando a taxa básica de juros, que está em 11,75% ao ano, com previsão de uma subida ainda maior até ao final do ano.



CYR // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário