07 Dezembro 2021, 00:10

Banco de Moçambique mantém taxa de juro de política monetária em 13,25%

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Maputo, 19 mai 2021 (Lusa) – O Comité de Política Monetária (CPMO) do Banco de Moçambique decidiu hoje manter a taxa de juro de política monetária (taxa MIMO) em 13,25%, anunciou em comunicado o regulador financeiro moçambicano.


“A decisão é fundamentada pelo agravamento dos riscos e incertezas, não obstante a revisão em baixa das perspetivas de inflação no curto e médio prazo, a refletir, sobretudo, a recente apreciação do metical”, refere, na nota de imprensa.


O CPMO decidiu, igualmente, manter as taxas de juro da Facilidade Permanente de Depósito (FPD) em 10,25% e da Facilidade Permanente de Cedência (FPC) em 16,25%.


Também são mantidos os coeficientes de Reservas Obrigatórias (RO) para os passivos em moeda nacional e em moeda estrangeira em 11,50% e 34,50%, respetivamente, adianta o Banco de Moçambique.


O regulador avança que “os riscos e incertezas associados às projeções de inflação agravaram-se” e a “nível doméstico, destaca-se a intensificação da instabilidade militar na zona norte do país, com impacto na pressão fiscal e na suspensão do projeto Mozambique LNG” de produção de gás natural liquefeito.


Por outro lado, prossegue, prevalece uma maior volatilidade da taxa de câmbio, devido a elevadas incertezas e assimetrias existentes no processo de formação de expetativas dos operadores no mercado cambial.


“Na conjuntura externa, realça-se uma maior flutuação dos preços dos ativos financeiros e das mercadorias e o surgimento de novas variantes do coronavírus”, refere-se no texto.


O CPMO fez uma revisão em baixa da inflação, desacelerando para 5,19% em abril, após 5,76% em março, como resultado da recente apreciação do metical e a dissipação do impacto das intempéries que assolaram o país no princípio do ano.


Prevê-se uma recuperação mais lenta da economia em 2021, sustentada pela fraca procura interna, conjugada com a suspensão do projeto de exploração do gás pela Total, não obstante a previsão de retoma gradual da procura externa e da tendência para a contenção da propagação de covid-19.


“Perante o limitado espaço da política monetária e do Orçamento do Estado, mantém-se a pertinência do aprofundamento de reformas estruturantes na economia, com vista ao fortalecimento das instituições, melhoria do ambiente de negócios, atração de investimentos e criação de emprego”, refere-se no comunicado.


A dívida pública interna mantém-se elevada e aumentou ligeiramente em 310 milhões de meticais (4,2 milhões de euros) para 205,5 mil milhões de meticais (2,8 mil milhões de euros).


As reservas internacionais continuam em níveis confortáveis, situando-se em pouco mais de 3,9 mil milhões de dólares (3,1 mil milhões de euros), montante suficiente para cobrir mais de seis meses de importações de bens e serviços, acrescenta o regulador.



PMA // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário