08 Dezembro 2022, 02:14

Banco de Portugal melhora crescimento do PIB deste ano para 6,7%

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O Banco de Portugal (BdP) melhorou as perspetivas de crescimento deste ano em 0,4 pp. para 6,7%, assinalando uma recuperação do nível pré-pandemia no primeiro trimestre, mas um abrandamento posterior, que se irá refletir em 2023.

No Boletim Económico de outubro, divulgado hoje, a instituição liderada por Mário Centeno apenas apresenta previsões para este ano, mas assinala o impacto em 2023 do abrandamento do crescimento económico registado a partir do segundo trimestre.

“Os efeitos negativos da agressão militar russa na Ucrânia foram-se acentuando ao longo do ano, implicando uma relativa estabilização da atividade a partir do segundo trimestre. Estes efeitos serão mais notórios em 2023, antecipando-se uma desaceleração significativa face a 2022, desde logo com um efeito de arrastamento que passa de 3,9 pp. [pontos percentuais] para 0,5 pp.”, pode ler-se.

No entanto, para este ano a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) é revista em alta de 0,4 pp. face a junho para 6,7%, com a economia portuguesa a “beneficiar da recuperação do turismo e do consumo privado”.

Sem comentários

deixar um comentário