19 Setembro 2021, 11:34

Bielorrússia: Washington anuncia sanções financeiras e restrições de vistos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Washington, 21 jun 2021 (Lusa) — Os Estados Unidos impuseram hoje novas sanções financeiras e restrições de vistos a dezenas de funcionários e entidades na Bielorrússia, em coordenação com a União Europeia, Reino Unido e Canadá.


As medidas retaliatórias – que visam em particular conselheiros próximos do Presidente Alexander Lukashenko e funcionários importantes dos ministérios do Interior e da Informação, bem como dos serviços judiciários e de informações – são uma resposta ao sequestro de um avião no final de maio para deter um oponente do regime.


Num comunicado, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, disse ainda que estas medidas visam punir “a repressão persistente na Bielorrússia”, bem como as violações dos direitos humanos.


“Estas sanções coordenadas demonstram a firme determinação transatlântica em apoiar as aspirações democráticas do povo da Bielorrússia”, explicou o chefe da diplomacia norte-americana.


Também o Reino Unido anunciou hoje novas sanções contra funcionários do regime de Alexander Lukashenko, assim como contra uma empresa exportadora de petróleo na Bielorrússia.


As sanções – anunciadas em coordenação com a União Europeia, EUA e Canadá — poderão vir a ser complementadas com novas medidas sancionatórias, num futuro breve.


O Departamento de Tesouro dos EUA congelou ainda qualquer participação nos EUA de 16 pessoas e cinco entidades, que também serão impedidas de usar o sistema financeiro dos EUA.


Entre eles estão a porta-voz do Presidente Lukashenko, Natalia Mikalaeuna Eismant, a presidente da Câmara Alta do Parlamento bielorrusso, Natalia Ivanauna Kachanava, e o chefe dos serviços de informações, Ivan Tsertsel.


Por sua vez, o Departamento de Estado dos EUA proibiu 46 funcionários da Bielorrússia de entrar nos Estados Unidos – elevando para 155 o número de pessoas visadas pelas restrições de visto dos EUA.


O sequestro de um voo comercial da Ryanair, em 23 de maio, para o aeroporto de Minsk, para deter dois passageiros (o jornalista dissidente bielorrusso Roman Protasevich e a namorada Sofia Sapega) reacendeu as represálias ocidentais já em andamento desde a disputada reeleição do Presidente Lukashenko, seguidas de ações de repressão sobre manifestantes pró-democracia.



RJP // EL


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário