09 Setembro 2022, 04:51

Bombeiros de vários países europeus ajudam França a combater incêndios

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Redação, 12 ago 2022 (Lusa) – Bombeiros de vários países europeus foram destacados hoje para ajudar a França a combater os incêndios que assolam as florestas na sequência de uma nova onda de calor e de uma seca histórica.


Na área do pior incêndio florestal francês neste momento, no sudoeste, 1.100 bombeiros combateram as chamas dia e noite, apoiados “desde o amanhecer”, segundo as autoridades, por bombeiros alemães e depois romenos. Estes últimos fazem parte do forte contingente de 361 bombeiros, entre os quais se encontram também polacos e austríacos.


Hoje à tarde, o incêndio “invulgar” em Gironde já não estava a progredir. Alguns dos habitantes deste departamento do sudoeste foram mesmo autorizados a regressar a casa.


E na véspera de um dia classificado como “vermelho” nas estradas, as autoridades decidiram mesmo reabrir “a partir das 20:00” a A63, que liga Bordéus a Espanha, fechada desde quarta-feira num troço de 20 quilómetros.


“Somos todos bombeiros e compreendemos a situação. Deve ser realmente difícil combater incêndios desta duração e magnitude”, disse Simon Fritz, um bombeiro profissional de Bona, no sudoeste do país.


Dois Canadairs italianos e dois gregos aterraram de manhã numa base aérea perto de Bordéus e alguns começaram imediatamente a sua missão nas florestas da região.


“A união de forças é uma vantagem. Vemo-lo todos os anos na Grécia, vemo-lo agora em França. Estamos felizes porque sabemos que vos estamos a ajudar, meus amigos”, afirmou o comandante Anastasis Sariouglou, 36 anos, que está na sua primeira missão em França.


Em Hostens, em Gironde, onde o posto de controlo de operações parecia um ‘albergue espanhol’, o coronel romeno Cristian Buhaiànu assegurou que os seus 77 bombeiros, com uniformes com aparelho vermelho, bonés e camiões com o logótipo “bombeiro”, estavam “prontos para sair para o terreno”.


O incêndio devastou 7.400 hectares de floresta desde terça-feira e obrigou 10.000 pessoas a abandonar as suas casas, algumas pela segunda vez num mês. Em julho, 14.000 hectares já tinham ardido nesta área.


O Jura (leste), que normalmente tem um clima mais moderado, também foi atingido por dois incêndios desde terça-feira, que devoraram cerca de 660 hectares de floresta.


Os fogos também têm sido violentos em Isère (centro-este), Ardèche (centro-este) e Drôme (sudeste), além de todos os dias, de norte a sul do país, deflagrarem inúmeros incêndios de menor dimensão.


No oeste de França, um incêndio começou mesmo durante a noite na floresta de Broceliande, uma Meca da lenda arturiana, destruindo quase 300 hectares de vegetação.


Dois bombardeiros de água suecos combateram o fogo a partir do ar, segundo as autoridades locais. Ao início da noite, o fogo estava “dois terços contido”.


Face a esta situação “excecional”, várias grandes empresas francesas tomaram medidas para facilitar a libertação dos seus bombeiros voluntários, respondendo ao apelo do governo.


No total, mais de 40.000 hectares arderam este ano em França, segundo o governo, ou 50.000 hectares segundo dados de satélite europeus: isto é, em todos os casos, várias vezes a média anual dos 15 anos anteriores, como em Espanha, enquanto o verão ainda não acabou.


A chuva não é esperada até domingo em França.


O país está a sofrer uma terceira vaga de calor. A noite de quinta-feira a sexta-feira foi quente, com mais de 25 graus Celsius às 05:00 (04:00 em Lisboa), sexta-feira, em vários departamentos do sudoeste, e, de acordo com o meteorologista Météo-França, as temperaturas máximas deviam ser de 38 a 40°C durante o dia.


A seca e a onda de calor que se abateu sobre muitos países europeus este verão está também a provocar incêndios sem precedentes.


No centro de Portugal, por exemplo, mais de 1.500 bombeiros permaneceram mobilizados na sexta-feira contra um incêndio florestal que destruiu cerca de 10.000 hectares de vegetação em quase uma semana no geo-parque da Serra da Estrela, reconhecido pela UNESCO.


Na República Checa, os bombeiros checos conseguiram extinguir um grande incêndio florestal num parque nacional na fronteira com a Alemanha, após 20 dias de combate. Afetou uma área de cerca de 1.060 hectares, a cerca de 90 quilómetros a norte de Praga. Participaram na operação aeronaves especiais da Itália e Suécia, bem como helicópteros da Polónia e Eslováquia.


Segundo os cientistas, o aumento dos fenómenos climáticos extremos (ondas de calor, secas, incêndios, etc.) é uma consequência direta do aquecimento global, uma vez que as emissões de gases com efeito de estufa estão a aumentar tanto a sua intensidade como a sua duração e frequência.



JH // SLX


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário