03 Fevereiro 2023, 15:57

Bruxelas promete resposta adequada às “distorções” da lei da inflação nos EUA

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, prometeu hoje uma resposta “adequada e bem calibrada” para mitigar as “distorções” da lei norte-americana para a redução da inflação.

“A Europa fará sempre o que for certo para a Europa. A União Europeia (UE) responderá de forma adequada e bem calibrada à lei da redução da inflação. No entanto, isso significa que vamos entrar numa difícil guerra comercial com os EUA”, afirmou Ursula von der Leyen, que falava no Colégio da Europa, na Bélgica.

De acordo com a presidente da Comissão Europeia, a resposta da UE vai assentar em três pilares: flexibilização das regras de ajuda pública, procura de novas fontes de financiamento comunitário e cooperação com as autoridades americanas em questões-chave para a economia verde.

A responsável sublinhou estar a favor da “cooperação em vez do confronto” com Washington, adiantando que Bruxelas vai continuar a dialogar com o Presidente dos EUA, Joe Biden, para tentar alterar a lei.

Para von der Leyen existe uma “simetria surpreendente” entre esta lei e o Pacto Verde europeu, uma vez que ambas contemplam estratégias climáticas.

Contudo, avisou que existem riscos de concorrência desleal e de fragmentação das cadeias de abastecimento.

Sem comentários

deixar um comentário