26 Janeiro 2022, 21:20

Cabo Verde deverá assumir presidência das bolsas de valores na África Ocidental

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Praia, 07 jan 2022 (Lusa) — Cabo Verde vai receber no segundo semestre do ano a reunião do conselho para a integração dos mercados de capitais na África Ocidental e assumir, pela primeira vez, a presidência da organização regional, disse hoje fonte oficial.


“Perspetivamos a realização em Cabo Verde do segundo ‘meeting’ da WACMIC [West African Capital Markets Integrations Couincil], em que se prevê, pela primeira vez, a eleição de Cabo Verde para a presidência”, anunciou, na cidade da Praia, o presidente da Bolsa de Valores de Cabo Verde (BVC).


Segundo Miguel Monteiro, o encontro em Cabo Verde deverá ser realizado entre julho e setembro.


A WACMIC é uma organização que contempla as bolsas de valores da África Ocidental, estando ativas atualmente a bolsa de Cabo Verde, a Ghana Stock Exchange (GSE), a Nigeria Stock Exchange (NGX) e a BRVM, que representa a União Económica e Monetária do Oeste Africano (oito países, principalmente francófonos).


O objetivo desta organização é que haja a possibilidade de, por exemplo, um investidor cabo-verdiano poder investir num projeto em qualquer um dos países e vice-versa.


“Por isso é que a realização desta reunião é importante. Poderá trazer uma maior dinâmica em termos do mercado, poderá trazer mais fundos para Cabo Verde e será positivo para a economia”, salientou Monteiro, enaltecendo também o facto de o arquipélago poder vir a assumir a presidência rotativa da organização.


A última reunião do conselho da WACMIC foi realizada em outubro, no Gana.


Na conferência de imprensa, o presidente da BVC avançou que o mercado de capitais mobilizou um recorde de 226,7 milhões de euros em 2021 para financiar a economia cabo-verdiana em 2021, aumento de 68% face ao ano anterior.


Grande parte dos recursos mobilizados para a economia cabo-verdiana em 2021 foi através da emissão de títulos de tesouro.


“Face às medidas de combate aos efeitos da pandemia, a bolsa de valores apresentou-se como alternativa de financiamento ao Governo de Cabo Verde”, sublinhou Miguel Monteiro, referindo que em pouco mais de cinco meses a bolsa realizou quatro operações de financiamento a entidades distintas.


Quanto ao mercado secundário, que alberga as transações de títulos entre investidores, o presidente da bolsa cabo-verdiana notou que no ano passado “foi mais dinâmico”, tendo sido realizadas 120 operações, num montante global de cerca de 932 mil milhões de escudos (8,4 mil milhões de euros), valor superior em 14 vezes a 2020.


Outro dado avançado pelo presidente do conselho de administração é que a capitalização da BVC aumentou 12,89% em 2021, face a 2020, atingindo um valor recorde de 834 milhões de euros.


Criada em 1998, a BVC conta atualmente com quatro empresas cotadas, nomeadamente o Banco Comercial do Atlântico (BCA, detido pelo grupo Caixa Geral de Depósitos), a Caixa Económica, a Enacol e a Sociedade Cabo-verdiana de Tabacos.


Os acionistas da Cabo Verde Telecom (CV Telecom), principal operadora de telecomunicações do país, aprovaram em 2018 a entrada da empresa em bolsa, que ainda não se concretizou.


O presidente sugeriu a redução para menos de metade do capital próprio de 100 milhões de escudos (906 mil euros) para as empresas poderem ser cotadas na bolsa e assim ter pelo menos 10 empresas cotadas na bolsa em 2025.



RIPE // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário