06 Fevereiro 2023, 21:42

Câmara de Gaia comparticipa primeiras dez carrinhas elétricas para IPSS’s

Filipa Júlio Administrator

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

Já estão definidas as primeiras 10 Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) que vão beneficiar do financiamento da Câmara Municipal de Gaia, no âmbito do Programa IPSS + Verdes. “A perspetiva é desbloquear um lote de dez de três em três meses”, disse o presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, ao Mundo Atual.

A proposta será apresentada e votada na reunião pública da próxima segunda-feira. Em declarações ao Mundo Atual, o presidente da Câmara Municipal de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, avançou que “a perspetiva é desbloquear o financiamento a um lote de dez carrinhas de três em três meses”.
“O primeiro lote de muitas, pois houve imensas candidaturas”, admitiu o autarca, destinam-se a Abrigo Seguro, ASS Canidelo, APPACDM, APPDA, Casa do Povo da Madalena, Centro Social e Paroquial de Grijó, Lar Adventista para Pessoas Idosas, que recebem uma comparticipação de 27 mil euros, para substituição de carrinhas, enquanto à ADC Santa Isabel e à Fundação Joaquim Oliveira Lopes são atribuídos 22.500 euros, para compra de novos veículos, o mesmo valor a receber pela CSS Sol Maior, por uma carrinha já adquirida.

“O projeto começou com a entrega de carrinhas elétricas às juntas de freguesia, de forma experimental. O balanço foi muito positivo. Ao fim destes meses todos, é bem evidente a poupança que as juntas tiveram, em termos de combustível e de manutenção. Outra vantagem é o rejuvenescimento de uma frota que, generalizadamente, estava envelhecida, com todas as consequências, incluindo as ambientais, que isso tem”, sublinhou.

Eduardo Vítor Rodrigues especificou ainda que “o programa foi revisto e dirigido para as IPSS’s”, de modo a estabelecer um “financiamento um pouco mais estrutural” do que a «simples» oferta da carrinha: “É um apoio colateral. No caso das substituições, estamos a reduzir o impacto financeiro de uma carrinha antiga, do motor a combustão. Ou seja, é uma forma de apoio direto ou indireto”.

“Antiguidade dos veículos obriga a melhorias”

De acordo com o vinculado na proposta a votação na reunião pública, “os veículos serão adquiridos pela instituição, com o apoio financeiro da Câmara Municipal de Gaia, que comparticipará com 90% do encargo total”, sendo “os montantes máximos de apoio a atribuir até 22.500 euros, no caso de viaturas ligeiras de mercadoria ou de passageiros, e 27 mil euros no caso das viaturas ligeiras de nove lugares”.

O Município considera que “a antiguidade e o uso intensivo dos veículos de trabalho das IPSS’S obrigam a uma melhoria da sua condição e eficiência ambiental”, uma vez que são maioritariamente utilizadas nas respostas sociais de apoio domiciliário a cidadãos com carências de vários níveis.

Município quer “promover mudança ambiental rápida”

Reconhecendo ser “muito difícil promover esta mudança ambiental de forma rápida, a partir dos orçamentos das instituições”, a autarquia elaborou este programa de apoio, intitulado «IPSS +Verdes», para “reduzir enormemente os encargos de combustível e de manutenção” dos veículos por parte das instituições.

“Os anos de 2019 2020 2021 foram períodos de enorme fragilidade orçamental para as IPSS’S, que face à impossibilidade de manterem as respostas sociais em funcionamento. Fruto da situação pandémica COVID-19, não obtiveram as respetivas comparticipações familiares e viram acrescidas as despesas correntes com EPI’s, recursos humanos e demais encargos que resultaram da situação. Estes factos agravaram em grande escala as dificuldades vividas por estas instituições que prestam o apoio prioritário à comunidade”, indica o documento.

O presidente da Câmara de Gaia referiu, ao Mundo Atual, que o projeto “vai ser avaliado, à medida que se desenvolve”, mas considera tratar-se, desde já, uma “aposta muito positiva”.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Sem comentários

deixar um comentário