05 Dezembro 2022, 22:32

Câmara de Lisboa aprova moção do PCP para “”reavaliação imediata” da linha circular do Metro

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 17 nov 2021 (Lusa) — A Câmara Municipal de Lisboa aprovou hoje uma moção do PCP que manifesta “viva oposição” à linha circular do Metropolitano e insta o Governo à “reavaliação imediata” do projeto, desistindo inclusive da obra dos viadutos do Campo Grande.


A iniciativa dos comunistas que visa suspender o projeto da linha circular do Metropolitano foi aprovada com os votos a favor dos eleitos pela coligação “Novos Tempos” (PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança), do PCP e do BE, e com os votos contra dos eleitos pela coligação “Mais Lisboa” (PS/Livre), que apenas votaram favoravelmente a definição de prioridades na expansão da rede.


Em declarações à agência Lusa, o vereador do PCP João Ferreira explicou que a moção aprovada pelo executivo visa “manifestar a sua viva oposição à concretização do projeto da linha circular” e “instar o Governo a determinar ao Metropolitano de Lisboa a reavaliação imediata de todo o processo relativo à construção da Linha Circular, incluindo a instrução ao Metropolitano de Lisboa para não assinar a consignação da obra dos viadutos do Campo Grande”.


Além disso, o executivo municipal decidiu – com os votos contra dos eleitos pela coligação PS/Livre, à exceção do vereador do Livre, Rui Tavares, que se absteve neste ponto – “solicitar ao Governo uma articulação urgente com a Câmara Municipal de Lisboa, para identificar as prioridades que devem ser estabelecidas para a rede do Metro, reavaliando o impacto da suspensão imediata das obras da linha circular, refazendo projetos e fazendo os estudos de impacto financeiro”.


Por unanimidade, a Câmara de Lisboa aprovou ainda “definir como prioridades a expansão da rede do Metro: a Alcântara e à zona ocidental de Lisboa; a ligação a Loures, através da Linha Amarela; e a ligação a Benfica através da Linha Verde, via Telheiras”.


Em 09 de abril de 2020, sob a presidência do socialista Fernando Medina, a Câmara Municipal de Lisboa aprovou uma moção, só com os votos contra do PS, manifestando a sua discordância por o Governo não suspender o projeto da linha circular, como aprovado pelo parlamento.


O documento do PCP, subscrito então por CDS-PP e PSD, contou ainda com os votos favoráveis do BE (partido que tinha um acordo de governação do concelho com o PS).


Em março de 2020, foi aprovada na Assembleia da República uma alteração ao Orçamento do Estado para 2020, na especialidade, para a suspensão do projeto de construção da linha circular, o que motivou protestos do PS e do Governo.


Nessa altura, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu que não se justificava um recurso ao Tribunal Constitucional, argumentando que o parlamento apenas formulou uma recomendação, sem suspender qualquer decisão administrativa.


Em maio desse ano, o Metropolitano de Lisboa assinou o contrato para a primeira empreitada do plano de expansão da rede, num investimento de 48,6 milhões de euros.


O projeto prevê a criação de um anel envolvente da zona central da cidade, com a abertura de duas novas estações: Estrela e Santos.


A linha circular vai ligar a estação do Cais do Sodré (linha Verde) à do Rato (linha Amarela).


As obras de expansão do Metro de Lisboa incluem mais duas etapas: no lote dois será feita a ligação entre a nova estação de Santos e o final da atual estação do Cais do Sodré; no lote três serão construídos os viadutos sobre a Rua Cipriano Dourado e sobre a Avenida Padre Cruz, na zona do Campo Grande, prevendo a ampliação da estação do Campo Grande para nascente.



SSM (TYS/RCP) // ROC



Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário