06 Agosto 2021, 02:10

Canal do Suez e proprietária do Ever Given chegam a princípio de acordo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Londres, 23 jun 2021 (Lusa) — A Autoridade do Canal do Suez (SCA) e a proprietária do Ever Given, o navio que interrompeu o tráfego numa das mais importantes vias marítimas comerciais, chegaram a um princípio de acordo, anunciou hoje a seguradora do porta-contentores.


Em comunicado, a UK Club, a seguradora do navio que ainda se encontra retido pelas autoridades, explicou que, “após prolongadas discussões com o comité de negociação da Autoridade do Canal do Suez durante as últimas semanas, foi alcançado um acordo de princípio entre as partes”.


Desde 29 de março, quando foi desencalhado, que o navio se encontra retido no Grande Lago Amargo do Canal, mas o princípio de acordo permitirá a libertação da embarcação e da mercadoria que transporta.


“Juntamente com o proprietário e as restantes seguradoras do navio, estamos agora a trabalhar com a SCA para finalizar a assinatura de um acordo de liquidação o mais rapidamente possível. Após estes trâmites, serão efetuadas as medidas necessárias para a libertação da embarcação”, acrescenta o comunicado da seguradora.


A libertação do navio é aguardada por muitas empresas que possuem mercadorias nos milhares de contentores a bordo do Ever Given, com um valor total estimado em mais de 501 milhões de euros.


No domingo, um tribunal egípcio adiou o caso do Ever Given enquanto prosseguiam as negociações para solucionar a disputa financeira.


A Autoridade do Canal do Suez, por onde passa mais de 10% do comércio mundial, exigiu uma compensação de cerca de 772 milhões de euros, de seguida reduzida para 463 milhões de euros, pelos danos e prejuízos ocasionados.


O porta-contentores, com bandeira panamiana e que integra a frota do armador de Taiwan Evergreen Marine Corporation, permanece fundeado no local desde que foi desencalhado do canal, onde ficou atravessado em 23 de março e durante seis dias com os seus 400 metros de comprimento.


Com uma carga de mais de 18.000 contentores, geridos pela multinacional Bernhard Schulte Shipmanagement (BSM), o incidente implicou a paralisação total da circulação nesta rota marítima entre a Ásia e a Europa.


No total, 422 navios, com 26 milhões de toneladas de mercadorias, ficaram bloqueados.



PCR // FPA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário