08 Outubro 2022, 09:46

Candidatura de Leão a Mecanismo Europeu de Estabilidade debatida hoje por ministros do euro

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Praga, 09 set 2022 (Lusa) — A candidatura do ex-ministro das Finanças português João Leão e do luxemburguês Pierre Gramegna ao cargo de diretor executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) é hoje discutida em Praga pelos ministros das Finanças da zona euro.


Reunidos para encontro informal na cidade checa de Praga, os ministros das Finanças da zona euro vão, no âmbito de uma reunião do Conselho de Governadores do MEE, tentar chegar a um consenso sobre os dois nomes em cima da mesa para a liderança do Mecanismo — João Leão e Pierre Gramegna –, sendo que um destes irá substituir o alemão Klaus Regling, que é diretor executivo do Mecanismo desde a sua criação, em 2012, e termina o seu mandato a 07 de outubro.


Depois de a votação ter sido já adiada por duas vezes por falta de consenso (dado ser necessário arrecadar 80% dos votos expressos), fontes europeias ligadas ao processo admitem uma decisão no encontro de hoje, embora reconhecendo que os recentes progressos nas discussões entre os países possam não ser suficientes.


Caso haja novo adiamento da votação, o assunto volta a ser discutido, à margem da reunião do Eurogrupo de início de outubro, pelo Conselho de Governadores do MEE, o órgão máximo de tomada de decisões do organismo que é composto por representantes governamentais de cada um dos 19 acionistas do mecanismo, os países do euro, com a pasta das Finanças. Portugal está representado pelo ministro da tutela, Fernando Medina.


A sucessão no MEE deveria acontecer a partir de 08 de outubro.


Cabe aos ministros das Finanças do euro tomar esta decisão, numa votação feita por maioria qualificada, ou seja, 80% dos votos expressos, sendo que os direitos de voto são iguais ao número de ações atribuídas a cada país membro do MEE no capital social autorizado.


Portugal, por exemplo, tem um direito de voto de cerca de 2,5%, o que compara com o da Alemanha (26,9%) e de França (20,2%), estes com maior peso na votação e com poder de veto.


Sediado no Luxemburgo, o MEE é uma organização intergovernamental criada pelos Estados-membros da zona euro para evitar e superar crises financeiras e manter a estabilidade financeira e a prosperidade a longo prazo, concedendo empréstimos e outros tipos de assistência financeira aos países em graves dificuldades financeiras.



ANE // CSJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário