08 Setembro 2022, 21:35

Cardeal Marc Ouellet acusado de agressão sexual no Canadá

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O cardeal canadiano Marc Ouellet, que ocupa um dos cargos mais importantes no Vaticano, foi acusado de agressão sexual numa ação judicial coletiva divulgada ontem no Canadá e que visa mais de 80 membros da diocese do Quebec.

O prefeito da Congregação para os Bispos é acusado de ter tocado indevidamente numa estagiária entre 2008 e 2010, quando era arcebispo do Quebec, refere um documento judicial que faz parte da ação coletiva aceite em maio pelo Tribunal Superior daquela região francófona do Canadá.

Estas revelações surgem três semanas depois de uma visita do papa Francisco ao Canadá, para pedir desculpa pelos abusos perpetrados por membros da Igreja Católica em escolas residenciais para indígenas.

A diocese do Quebec referiu, em resposta à agência France-Presse (AFP), que “tomou nota das alegações contra o cardeal Marc Ouellet”, explicando que não irá fazer “absolutamente nenhum comentário sobre este assunto”.

As acusações estão entre os testemunhos de 101 pessoas que “foram agredidas sexualmente” por clérigos e funcionários laicos entre junho de 1940 e hoje, de acordo com os documentos do tribunal.

No caso de Marc Ouellet, a denunciante, designada pela letra “F”, explica ter sido agredida várias vezes pelo cardeal.

Em particular, refere que o cardeal a terá “beijado” e “deslizado a mão” pelas costas “até às nádegas” em 2010.

Em fevereiro, evocando o “drama dos abusos sexuais cometidos por clérigos”, o cardeal Ouellet tinha condenado, durante um importante simpósio no Vaticano na presença do Papa Francisco, o “comportamento criminoso ocultado por muito tempo para proteger a instituição”.

“Estamos todos divididos e humilhados por essas questões cruciais que nos desafiam todos os dias como membros da Igreja”, salientou na altura.

A Igreja Católica é regularmente alvo de revelações sobre escândalos de agressão sexual ocorridos dentro da instituição.

Sem comentários

deixar um comentário