28 Janeiro 2022, 00:14

Casa da Arquitectura cria Atlas de Portugal e rotas turísticas com edifícios arquitetónicos em 2022

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

A Casa da Arquitectura (CA), em Matosinhos, vai criar um Atlas de Portugal para mapear edifícios arquitetónicos no país e construir rotas turísticas disponíveis, em 2022, anunciou hoje o diretor executivo daquela instituição cultural.

A Piscina das Marés, a Casa de Chá da Boa Nova e a casa da família do arquiteto Álvaro Siza Vieira, tudo localizado na cidade de Matosinhos, são apenas alguns exemplos de uma lista de mais de 50 edifícios identificados na lista do Atlas de Portugal que vai estar disponível ‘online’, em 2022, revelou o diretor executivo, Nuno Sampaio.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



À margem da apresentação do programa Turismo e Arquitetura da CA, em parceria com o Turismo de Portugal, Nuno Sampaio avançou que a lista, numa primeira fase, já estava com 50 edifícios identificados.

“Só no [mapeamento] do Atlas já vamos numa lista de 50 edifícios. Agora vamos criar rotas que vão ter muitos mais edifícios, estando a trabalhar numa segunda fase com mais edifícios”, explicou Nuno Sampaio, acrescentando que esses imóveis estão espalhados por Portugal Continental e Ilhas, para alavancar a coesão territorial.

Vão estar disponíveis para visitação do público em 2022 cerca de 50 edifícios mapeados na plataforma digital. “Vamos conseguir que a arquitetura portuguesa consiga na prática atrair as pessoas”, abrindo os “edifícios à visitação”, resumiu Nuno Sampaio.

Congregar esta informação para mapear estes edifícios ou até espaços públicos, a CA vai aliar o conjunto do ‘know how’ (saber como) que tem e disponibilizá-lo ao grande público com a ajuda dos operadores turísticos para promover a arquitetura portuguesa a todo o mundo.

A secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, desafiou hoje a CA para criar rotas turísticas arquitetónicas a nível nacional, mas depois “numa segunda fase” trabalhar rotas internacionais, mostrando que “temos várias embaixadas desenhadas” para além das embaixadas tradicionais.

“Penso que este programa em específico, esta aliança entre Casa da Arquitetura e Turismo de Portugal, pode garantir que os nossos jovens arquitetos, e menos jovens arquitetos, possam ter uma montra interessante para mostrar os seus trabalhos e possam vendê-los, garantindo-se que amanhã teremos um Estádio de Braga não em Braga, mas noutra qualquer cidade europeia ou da América Latina e que possam ser justamente embaixadas de Portugal nesses destinos para que possamos ter uma rota que atravesse várias geografias e possa nascer em Portugal ou terminar em Portugal, mas que, basicamente atravesse este mundo fora”, declarou Rita Marques.

Os quatro eixos estratégicos de atuação deste programa assentam nos “itinerários de arquitetura contemporânea em Portugal”, no “Atlas da arquitetura contemporânea em Portugal”, “eventos” e “promoção externa”, acrescentou Nuno Sampaio.

Tags

Sem comentários

deixar um comentário