22 Janeiro 2023, 11:51

«Catarina e a beleza de matar fascistas» inicia em Roma nova digressão internacional

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

A peça de Tiago Rodrigues «Catarina e a beleza de matar fascistas», que tem esgotado quase todas as salas onde tem sido apresentada, regressa a hoje palco, numa nova digressão que começa no Teatro Argentina, em Roma.

Em Roma, a peça tem apresentações agendadas até quinta-feira, como consta nos sites do Teatro Nacional D. Maria II e do Teatro Argentina di Roma.

“Obrigado a Giorgio Barberio Corsetti e Francesca Corona e toda a equipa do Teatro di Roma pelo acolhimento tantas vezes adiado por causa da pandemia”, escreve o encenador Tiago Rodrigues, autor da peça, na sua página no Facebook, acrescentando “é uma felicidade recomeçar esta aventura na cidade eterna”.

De dia 22 a dia 24, a peça regressará a Portugal, sendo apresentada na Casa da Cultura de Ílhavo, voltando a Itália, nos dias 28 e 29, para representações no Teatro Storchi – Emília Romagna Teatro Fondazione, em Modena, de acordo com os ‘sites’ do D. Maria II e do Teatro Storchi.

Em 07 de maio, «Catarina e a beleza de matar fascistas» subirá ao palco do Cine Teatro Louletano (Loulé) e, de 25 de junho a 02 de julho, estará no Teatro Nacional S. João, no Porto. De 06 a 10 de julho, a peça regressa ao palco da Sala Garrett, em Lisboa, com espetáculos já quase esgotados.

No D. Maria II, e de acordo com o site do teatro, o evento é organizado no âmbito da Temporada Cruzada Portugal-França 2022.

Bergen, Paris, Caen, Cherbourg, Amiens, Liège, Toulouse e Barcelona são, segundo Tiago Rodrigues, outras das cidades onde a peça também será representada, escreve no Facebook, sem mencionar datas.

Até ao momento, no site do D. Maria II, também não constam datas para as ciades referidos pelo ex-diretor artístico deste teatro.

Estreada em setembro de 2020, no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, “Catarina e a beleza de matar fascistas” seguiu depois em digressão internacional e, em 09 e 10 de dezembro, esteve no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e, em abril de 2021, subiu ao palco principal do D. Maria II, coincidindo com a reabertura de portas dos teatros, após o segundo confinamento devido à pandemia de Covid-19, que começara em 15 de janeiro.

Com texto publicado em francês, a peça fala de uma família que tem por tradição matar fascistas.

Numa casa de campo, no sul de Portugal, os seus elementos reúnem-se para que o seu elemento mais jovem, Catarina, possa iniciar-se no ritual, matando o primeiro fascista que fora raptado de propósito.

No dia previsto, precipita-se um conflito familiar, pois Catarina revela-se incapaz de matar, recusando-se a ser iniciada no ritual.

“Catarina e a beleza de matar fascistas” ficciona aquilo que poderá ser Portugal em 2028, governado pela extrema-direita, como a ação deixa depreender.

A peça termina mesmo com um longo discurso de um membro de um partido então no poder, oito anos antes tinha apenas um deputado, mas que, entretanto, consegue chegar aos 117, alcançando maioria absoluta. Um partido que fala numa nova República, numa nova Constituição e em mais de meio século de um país “governado por bandidos” e que, já no poder, passa a criticar “as minorias que não respeitam as maiorias”.

Sem comentários

deixar um comentário