06 Fevereiro 2023, 01:32

Cerca de 1,8 milhões de brasileiros foram vítimas de assaltos em 2021

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

São Paulo, 07 dez 2022 (Lusa) – Pelo menos 1,8 milhões de brasileiros com mais de 15 anos foram vítimas de roubo em 2021, o que corresponde a 1,1% da população dessa idade, segundo um levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Das vítimas de roubo no Brasil no ano passado, 94% residiam em áreas urbanas, 63,2% eram negras ou pardas e a grande maioria tinha entre 25 e 39 anos, segundo o órgão responsável pelas estatísticas do Governo brasileiro.


O uso de armas, que agrava a sensação de insegurança, foi relatado por 90,8% das vítimas de roubos em residências e por 97,6% das vítimas de roubos de automóveis.


O estudo também mostrou que em 2,9 milhões de domicílios brasileiros, 4% dos domicílios do país, houve pelo menos uma vítima de furto nos últimos doze meses e que 1,7 milhões de residências foram roubadas e 192 mil foram vítimas de roubos.


Apesar de a maioria das vítimas de crimes mais graves ter procurado a polícia para registar queixa, a subnotificação é maior entre as vítimas de roubo do que entre as vítimas de roubo.


Segundo o IBGE, a sondagem mostrou que a violência aumentou a perceção de risco da população e afetou o seu comportamento.


No geral, 51,7% dos brasileiros dizem sentir-se inseguros quando andam sozinhos à noite.


“A insegurança é mais complexa do que a vitimização. Ser vítima é apenas um dos fatores que geram insegurança e mudanças de comportamento”, explicou Alessandra Scalioni, analista do IBGE, numa nota.


Face ao aumento da sensação de insegurança, 40% dos maiores de 15 anos dizem acreditar ter grande ou média hipótese de serem assaltados nas ruas, 38,1% temem ser assaltados no transporte público e 30% temem sofrer violência em casa.


Como estratégia face à insegurança, 56,7% dos brasileiros com mais de 15 anos afirmaram que evitam chegar tarde a casa, 51,2% que não usam telemóveis em locais públicos, 49,9% que evitam locais com pouca gente e 49,2% que não usam joias ou relógios.


 


CYR // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário