23 Outubro 2021, 15:43

Cerca de 80% dos seis milhões de ‘vouchers’ para manuais já foram resgatados

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 23 set 2021 (Lusa) — A plataforma MEGA já emitiu seis milhões de ‘vouchers’ para manuais gratuitos, dos quais 80% já foram resgatados, estando já os livros na posse dos alunos, adiantou o Ministério da Educação (ME) em comunicado.


“Com o ano letivo em curso, cerca de seis milhões de ‘vouchers’ foram emitidos através da plataforma MEGA, prevendo-se que as movimentações que ainda ocorram, por parte das escolas, sejam muito residuais. A percentagem de resgates é já de cerca de 80%, o que significa que a esmagadora maioria dos encarregados de educação e/ou alunos levantaram os manuais disponibilizados gratuitamente pelo Ministério da Educação”, adiantou o ME em comunicado.


Os ‘vouchers’ para manuais novos são utilizados pelas famílias nas livrarias aderentes que escolherem para levantar os manuais gratuitos, enquanto aqueles que dizem respeito a manuais reutilizados são levantados nas escolas frequentadas pelos alunos.


A tutela destaca um funcionamento da plataforma Manuais Escolares Gratuitos (MEGA) de forma “cada vez mais fluida e eficaz”, permitindo fornecer manuais escolares a um universo de cerca de um milhão de alunos.


As aulas arrancaram até sexta-feira da passada semana e na altura livrarias e editoras admitiam atrasos de semanas na entrega dos manuais, que podiam levar a que no início de outubro houvesse alunos ainda sem os livros.


Em declarações à Lusa, um responsável por duas livrarias em Lisboa relatava atrasos nas entregas de manuais encomendados no início de setembro, com milhares de livros por entregar, alguns dos quais esgotados, e novas encomendas ainda a entrar.


Num comunicado divulgado em agosto, a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) já admitia a possibilidade de “dificuldades no abastecimento das livrarias”.


“Imprimir os livros e distribuí-los por todo o país, chegando a mais de 600 mil famílias, é um processo logístico extremamente complexo que requer mais tempo do que as editoras dispuseram este ano, o que está a causar enorme pressão em todas as estruturas e nos recursos humanos”, acrescentava o grupo Porto Editora, sublinhando a necessidade de conhecer mais cedo as necessidades de impressão de novos livros.


As livrarias queixaram-se também de um mau funcionamento da plataforma MEGA, que não disponibilizava a emissão de ‘vouchers’ para as diferentes disciplinas ao mesmo tempo.


O ME esclareceu na altura que a situação não é anormal e que as escolas submetem na plataforma os dados necessários conforme escolhem os livros para as diferentes disciplinas.


Entre terça-feira e sexta-feira da passada semana os cerca de 1,2 milhões de alunos do ensino obrigatório regressaram todos, oficialmente, à escola para mais um ano em ambiente pandémico e ainda apertadas regras de controlo de contágio da covid-19, em que a prioridade será a recuperação das aprendizagens.


IMA (MYCA) // HB


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário