04 Julho 2022, 04:21

CGD pode ceder 30 mil m2 do seu edifício-sede a serviços do Governo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 12 mai 2022 (Lusa) – A CGD tem já 3.200 metros quadrados cedidos a serviços do Governo e pode ceder até 30 mil metros quadrados até 2023, disse hoje o presidente do banco público, sem indicar quanto pagará o Governo pela ocupação desse espaço.


Segundo Paulo Macedo, os 90 mil metros quadrados que a CGD tem no edifício-sede em Lisboa não se justificam para os seus serviços centrais pelo que poderá ser cedido mais espaço “de acordo com os interesses do Governo e da Caixa”. Para já, há a intenção de ceder para serviços do Governo até 30 mil metros quadrados até 2023.


“A velocidade a que vão ser ocupados, se vão ser ocupados na íntegra, etc, depende de quem vai ocupar”, afirmou em resposta a questões dos jornalistas na apresentação dos lucros da CGD do primeiro trimestre (146 milhões de euros, mais 80,5% do que no mesmo trimestre de 2021).


Paulo Macedo não quis, contudo, adiantar a renda que a CGD cobrará ao Governo pela cedência destes espaços.


“Será certamente a título oneroso, a Caixa deixará de suportar um custo tão oneroso com esta renda” do edifício-sede, afirmou.


Questionado sobre a notícia do Correio da Manhã de que a concentração de ministérios na sede da CGD poderá passar por um acordo em que o banco entrega ao Estado o edifício em troca de não pagar dividendos durante alguns anos, Macedo também não quis avançar informação: “São tudo hipóteses e alternativas, não há um único documento que eu conheça sobre isso”, disse.


Segundo o jornal Expresso, o edifício-sede da Caixa Geral de Depósitos, para onde o Governo pretende mudar ministérios, tem uma renda de um milhão de euros por mês paga ao Fundo de Pensões dos trabalhadores da CGD.


A mudança de gabinetes governamentais para o edifício da CGD no Campo Pequeno, em Lisboa, implica obras para adaptar os espaços da CGD às novas funções.



IM // JNM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário