07 Julho 2022, 02:17

Chefe da ONU espera que China autorize visita de Michelle Bachelet a Xinjiang

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, aguarda uma autorização da China que autorize a Alta Comissária para os direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, a visitar de forma “credível” a província de Xinjiang, indicou hoje a ONU.

Guterres, que segundo um comunicado se encontrou com o Presidente chinês, Xi Jinping, à margem dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim, “manifestou a sua expectativa que os contactos entre os serviços” de Bachelet e as autoridades chinesas “permitam uma visita credível da Alta Comissária à China, incluindo a Xinjiang”, onde Pequim é acusado de violações dos direitos humanos contra a minoria muçulmana dos uigures.

O resultado do encontro publicado pela agência noticiosa estatal chinesa Xinhua não faz referência à questão dos direitos humanos e a Xinjiang.

Michelle Bachelet, que pretende publicar um relatório sobre a província de Xinjinag muito aguardado pelos ocidentais e por diversas organizações não-governamentais (ONG), pede há vários anos a Pequim um “acesso significativo e sem entrave” a esta região, mas até ao presente não foi possível qualquer deslocação.

No final de janeiro, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhao Lijian, afirmou que Pequim estava “disposto” a permitir uma visita à China e a Xinjiang da Alta Comissária.

Mas Pequim recusa a elaboração de um inquérito da ONU em Xinjiang, e considera que qualquer visita à região deve ser “amigável”.

Diversos países ocidentais, incluindo os Estados Unidos, Reino Unido e França, denunciaram um “genocídio em curso” contra os uigures.

Segundo várias organizações de direitos humanos, pelo menos um milhão de uigures e outras minorias turcófonas, principalmente muçulmanos, estão ou estiveram detidos em campos nesta província do noroeste da China, na tentativa de erradicar as suas tradições culturais e colocados sob estreita vigilância pelas autoridades.

Pequim diz tratar-se de centros de formação profissional destinados a afastar a população do terrorismo e separatismo, após numerosos atentados mortíferos atribuídos a islamitas ou separatistas uigures.

Xinjiang (Novas fronteiras) fica junto à região autónoma do Tibete, Afeganistão, a disputada região da Caxemira, o Quirguistão, Tajiquistão, Cazaquistão, Rússia e Mongólia.

É a maior entidade política da China, com capital de Urumqi.

Sem comentários

deixar um comentário