17 Outubro 2021, 17:23

Chega/Congresso: Ventura acusa PSD de dar sinal de não querer o Chega num futuro Governo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Coimbra, 30 mai 2021 (Lusa) – André Ventura afirmou que o PSD deu um sinal de que não quer o Chega numa solução de Governo ao não participar no encerramento dos trabalhos do III Congresso, que terminou hoje em Coimbra.


À saída do congresso, o líder do Chega disse que a falta de comparência dos sociais-democratas dá um “sinal de que não está disposto a aceitar que forças políticas com ideias próprias e de rutura entrem no Governo de Portugal”.


O PSD desistiu hoje de estar presente na cerimónia de encerramento do congresso do Chega por considerar que foram ultrapassados os “limites da decência e bom senso” na forma como os sociais-democratas foram tratados durante os trabalhos.


André Ventura não deixou Rui Rio sem resposta e afirmou que “há muito tempo que achava que os limites da decência do PSD tinham sido ultrapassados, quando inviabilizou os debates parlamentares quinzenais e viabilizou reformas estruturais como a das Forças Armadas, que motivou críticas de antigos primeiros-ministros” sociais-democratas.


“Acho que foi Rui Rio e o PSD que ultrapassaram os limites da decência ao estarem sempre deitados com António Costa”, disse o presidente do Chega, acusando os sociais-democratas de estarem interessados em meterem, “por vezes, o pé no lado direito, mas a maior parte das vezes meterem o pé no lado esquerdo”.


Para André Ventura, há um “antes e depois” do congresso na relação com o PSD, depois de “receber um mandato claro” para dizer aos sociais-democratas, que, se forem os mais votados nas próximas eleições legislativas, vão ter de se sentar à mesa com o Chega, “não como um partido a negociar com um vassalo, mas como partidos iguais, a quererem formar um Governo”.


“Se Rui Rio não se quis sentar hoje neste congresso será que aceitaria sentar-se à mesa para formar um Governo pelos portugueses?”, perguntou o líder do Chega, considerando que o PSD estará “mais perto” de um Governo de bloco central do que com o Chega.


Na resposta aos jornalistas, disse ainda que os Açores mostram bem que o Chega “não vem para negociar, vem para dizer estas são as nossas metas e se querem estamos dispostos a formar um Governo, mas se não querem têm de procurar outros parceiros”.


Ainda no discurso de encerramento, o PSD foi apupado pelos delegados quando Ventura disse que os sociais-democratas tinham desistido de estar presentes no congresso pelas críticas de que foram alvo.


E garantiu, uma vez mais, que o Chega não será nem “uma cópia” nem “uma muleta” do partido de Rui Rio, nem se deixará condicionar.



AMV/NS // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário