03 Julho 2022, 23:48

China adverte EUA de que “brincam com o fogo” ao afirmar que defenderiam Taiwan

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

A China advertiu hoje os Estados Unidos de que estão a “brincar com o fogo”, após declarações do Presidente norte-americano segundo as quais Washington defenderia Taiwan se Pequim tentasse invadir a ilha, noticiou a agência oficial Nova China.

Os Estados Unidos “estão a utilizar o ‘mapa de Taiwan’ para conter a China e vão queimar-se”, declarou Zhu Fenglian, uma porta-voz do gabinete dos assuntos taiwaneses do Conselho de Estado, muitas vezes descrito como o Governo chinês.

A porta-voz “exortou os Estados Unidos a pôr fim a todos os comentários ou ações” que violem os princípios previamente definidos com a China, ainda segundo a Nova China.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, disse hoje em Tóquio que o seu país defenderia militarmente Taiwan em caso de invasão, considerando que Pequim “está a provocar o perigo”.

“Foi o compromisso que assumimos”, respondeu Biden quando lhe perguntaram, numa conferência de imprensa, se Washington interviria militarmente contra uma tentativa chinesa de tomar aquela ilha pela força.

A China reagiu inicialmente a estas declarações instando Joe Biden a “não subestimar” a sua “firme determinação” de “proteger a sua soberania”.

A política de “uma só China” aplicada pelos Estados Unidos em relação a Taiwan “não mudou”, afirmou hoje, por seu lado, o secretário da Defesa norte-americano, Lloyd Austin.

Desde o fim da guerra civil chinesa, em 1949, a ilha de 24 milhões de habitantes é dirigida por um regime rival do regime comunista que governa a China continental.

A China pretende “reunificar” o território insular à “pátria-mãe” e não desistiu de utilizar a força militar, especialmente se a independência for oficialmente proclamada pelas autoridades de Taiwan.

Sem comentários

deixar um comentário