09 Dezembro 2021, 04:19

Chuvas intensas fazem mais de 130 mortos na Índia e no Nepa

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nova Deli, 20 out 2021 (Lusa) — Mais de 130 pessoas morreram e dezenas estão desaparecidas na Índia e no Nepal devido às chuvas torrenciais dos últimos dias naquela região asiática, que causaram inundações e numerosos deslizamentos de terra.


A Índia registou até agora 81 mortes e o desaparecimento de dez pessoas na sequência da intensa precipitação que desde o passado fim de semana cai com particular violência nos Estados do norte e do sul do país.


No Estado setentrional de Uttarakhand, houve “um total de 46 mortos e cerca de uma dezena de pessoas encontram-se desaparecidas”, disse o secretário do Departamento de Gestão de Desastres estatal, Amurugesam, acrescentando que o número poderá aumentar nas próximas horas.


O responsável, citado pela agência noticiosa espanhola Efe, indicou igualmente que muitas estradas continuam cortadas e dez casas sofreram danos materiais na região, devido aos deslizamentos de terra.


Por sua vez, o chefe do Governo da região, Pushkar Singh Dhami, expressou as suas condolências aos familiares das vítimas mortais e anunciou uma compensação económica para elas de 400.000 rupias (quase 4.600 euros).


As chuvas fortes também se abateram no Estado meridional de Kerala, que elevou hoje para 35 o número de mortos desde o passado fim de semana, embora, por enquanto, “a situação esteja sob controlo”, como assegurou uma fonte do Departamento de Informação regional citada pela Efe.


Apesar de a chuva ter feito uma pausa na região costeira, Kerala espera, a partir desta noite, a chegada de forte precipitação que poderá agravar a situação.


O mais recente boletim do Departamento de Meteorologia da Índia (IMD, na sigla em inglês) prevê precipitação intensa com trovoadas no sul da Índia, de hoje até ao próximo domingo.


No entanto, as condições atmosféricas tornar-se-ão favoráveis no norte do país, de acordo com as previsões do IMD.


Estas precipitações estão a deslocar-se para a costa da baía de Bengala, onde as equipas de resgate da Força Nacional de Resposta a Desastres indiana (NDRF) iniciou as operações de evacuação, após as graves inundações registadas.


No vizinho Nepal, pelo menos 52 pessoas morreram nas últimas horas e dezenas continuam desaparecidas em consequência das chuvas torrenciais e dos deslizamentos de terra, segundo o balanço da Autoridade Nacional de Gestão de Desastres e Redução de Riscos do país.


O maior número de vítimas ocorreu no distrito de Doti, no oeste do país dos Himalaias, com 14 mortos até agora, disse o porta-voz do Ministério do Interior nepalês, Phanindra Mani Pokharel.


Os outros distritos com mais vítimas mortais foram os orientais Ilam, com 13 mortos devido a deslizamentos de terra, e Dhankuta, com sete, de acordo com a agência governamental.


As chuvas causaram também graves danos nas zonas agrícolas das planícies do sul, na região de Terai.


“Temos que receber dados sobre perdas de culturas, mas as estimativas preliminares mostram que foram destruídas plantações no valor de milhares de milhões de rupias”, disse o porta-voz do Ministério da Agricultura e Pecuária nepalês, Prakash Sanjel.


As chuvas causam anualmente fortes danos pessoais e materiais no Nepal e noutros países do sul da Ásia, especialmente durante a época das monções, entre junho e setembro.


Mas a violência destas chuvas surpreendeu, depois de os especialistas darem por concluída a época das monções.


“Estávamos a dizer que as monções tinham acabado, acho surpreendente ver uns níveis tão elevados de precipitação, capazes de causar tantas perdas de vidas e danos materiais”, escreveu o especialista em hidrologia Madhukar Upadhya na rede social Twitter.


O Nepal é muito vulnerável aos desastres naturais e ocupa o quarto lugar em termos de vulnerabilidade às alterações climáticas, segundo o relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).



ANC // EL


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário