05 Outubro 2022, 15:36

Ciclone Emnati causa mais de 44.000 desalojadas e seis mortes em Madadgáscar

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Mais de 44.000 pessoas ficaram desalojadas e seis morreram em Madagáscar devido à passagem do ciclone tropical Emnati, segundo os últimos dados hoje divulgados pelo Gabinete Nacional de Gestão de Riscos e Desastres (BNGRC) do país.

“A circulação de pessoas potencialmente em perigo antes da chegada da tempestade, a sensibilização para o reforço das infraestruturas nacionais, a criação de abrigos, são algumas das medidas que tomámos para evitar o pior”, disse por telefone na sexta-feira à agência Efe o diretor do BNGRC, Paolo Emilio Raholinarivo.

O ciclone Emnati entrou em Madagáscar na madrugada de 23 de fevereiro pela localidade de Manakara, na costa leste do país, com ventos da ordem dos 150 a 200 quilómetros por hora e deixou o país no mesmo dia por volta das 21:00 horas locais (18:00 horas TMG), indicou o Gabinete para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Embora tenha perdido força durante a sua passagem por Madagáscar, o Emnati causou danos no sul e sudeste do país, incluindo algumas áreas afetadas há pouco mais de duas semanas pela passagem do ciclone Batsirai, que provocou a morte de 120 pessoas.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), estas zonas da ilha, especialmente o sul, também enfrentam há um ano a pior seca das ultimas quatro décadas, que deixou cerca de 1,64 milhões de pessoas a sofrer de insegurança alimentar.

O OCHA chamou ainda a atenção para a possibilidade de inundações repentinas, já que as terras estão muito secas nessas áreas.

O ciclone Emnati causou também a destruição de mais de 3.600 casas e cerca de 1.850 salas de aula, segundo o BNGRC, além de ter provocado o encerramento de 20 estradas por causa das inundações, deslizamentos de terra e pela queda de árvores.

É a quarta tempestade a atingir a ilha de Madagáscar desde o início da estação das chuvas na região, depois das tempestades Dumako, Batsirai e Ana.

Em janeiro deste ano, o ciclone Ana causou pelo menos 58 mortes, a maioria na capital, Antananarivo, e afetou cerca de 131 mil pessoas em toda a ilha, segundo o OCHA.

Dados da ONU revelam ainda que o ciclone Ana também provocou danos materiais e humanos em Moçambique, tendo causado 38 mortos e 207 feridos e afetado mais de 185 mil pessoas, enquanto no Malaui fez 46 mortos e 206 feridos.

Sem comentários

deixar um comentário