22 Outubro 2021, 07:18

Ciclone Yaas já causou dois mortos e danos em cerca de 20.000 casas na Índia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Calcutá, Índia, 26 mai 2021 (Lusa) — Pelo menos duas pessoas morreram hoje na Índia devido à passagem do ciclone Yaas, que varre a costa oriental do país e que também causou danos em cerca de 20.000 casas, indicaram as autoridades.


“Uma das vítimas foi arrastada pelo mar (…) e a outra morreu após a sua casa desabar no distrito de East Midnapore”, declarou Mamata Banerjee, primeira-ministra do estado de Bengala Ocidental, no leste do país.


Segundo a responsável, a estação balnear de Digha foi “submersa” por vagas da altura de um autocarro de dois andares.


“Os rios transbordaram, inundando 12 ilhas e rompendo vários diques”, acrescentou Mamata Banerjee.


O ciclone Yaas, a segunda tempestade tropical a atingir a Índia em menos de duas semanas, tocou terra às 03:30 TMG (mais uma hora em Lisboa), segundo o departamento meteorológico indiano, que prevê rajadas de até 155 quilómetros por hora.


Na semana passada, o ciclone Tauktae, primeira grande tempestade tropical da temporada, que atingiu a 17 de maio o estado do Gujarat, causou pelo menos 155 mortos no oeste do país.


Desta vez, cerca de 1,5 milhões de pessoas que vivem ao longo da costa oriental do golfo de Bengala tiveram de deixar as suas casas. A chuva torrencial e os ventos violentos atingem desde terça-feira as localidades e cidades costeiras.


As autoridades de Calcutá, capital do estado de Bengala Ocidental, ordenaram o encerramento do aeroporto internacional e o mesmo aconteceu ao aeroporto de Bhubaneswar, capital do estado de Odisha.


Perto de 5.000 socorristas no total foram mobilizados nos dois estados ameaçados, com acesso a meios de comunicação de emergência, barcos pneumáticos e assistência médica, indicou a Força Nacional de Resposta a Desastres.


O Yaas também deverá interromper os esforços locais para combater a covid-19. A epidemia já matou cerca de 310.000 pessoas em todo o país.


 


PAL // FPA


Lusa/fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário