12 Agosto 2022, 10:32

Cidade brasileira de Petrópolis contabiliza 78 mortes em razão da chuva

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

São Paulo, 16 fev 2022 (Lusa) — Petrópolis, uma cidade localizada na região serrana do estado brasileiro do Rio de Janeiro, registou pelo menos 78 mortes em razão das fortes chuvas que atingiram seu território desde a noite de terça-feira, informou hoje o governador, Cláudio Castro.


O balanço de mortos já aumentou várias vezes e ainda deverá ser atualizado já que o número de desaparecidos na localidade, de 300 mil habitantes, localizada 60 quilómetros da cidade do Rio de Janeiro, ainda não foi apurado pelo Corpo de Bombeiros.


Além disso, as autoridades confirmam que ao menos 21 pessoas foram resgatadas com vida.


Segundo a agência meteorológica MetSul, Petrópolis recebeu mais chuva em poucas horas na noite de terça-feira do que a média de um mês inteiro de fevereiro.


Ao menos 54 casas foram destruídas pelas chuvas e 377 pessoas foram acolhidas em abrigos improvisados.


O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, que tem acompanhado os trabalhos das equipas nos locais onde ocorreram desabamentos e cheias causados pela enxurrada que atingiu a cidade, disse que a situação que tem encontrado é “quase que de guerra”.


Castro esteve no Morro da Oficina, onde os desabamentos causaram várias vítimas.


Sobre o trabalho de resgate, o secretário do estado de Defesa Civil, Leandro Monteiro, afirmou que “há uma grande equipa concentrada no Morro da Oficina”, onde as autoridades acreditam que existe “o maior número de vítimas ainda soterradas”.


“Estamos com 400 militares mobilizados e atuando em 44 pontos atingidos pelo temporal. Montámos um hospital de campanha com 10 leitos [camas], onde as vítimas recebem o primeiro atendimento”, disse.


Para a cidade foram mobilizados 20 camiões, 20 retroescavadoras, 10 escavadeiras hidráulicas e 10 camiões-cisterna, além de veículos com medicamentos e ambulâncias.


A prefeitura de Petrópolis decretou “estado de calamidade” e luto de três dias.


De acordo com fontes oficiais, ocorreram pelo menos 189 deslizamentos de terras e 45 desabamentos ou quedas de muros e árvores foram notificados no distrito de Petrópolis.


Vídeos que circulam nas redes sociais mostram carros sendo arrastados pela correnteza e grandes deslizamentos numa área da cidade chamada Morro da Oficina.


Esta não é a primeira vez que a região montanhosa do Rio de Janeiro foi atingida por fortes tempestades. Em 2011 ocorreu a maior tragédia meteorológica alguma vez registada no Brasil, quando as tempestades provocaram mais de 900 mortos e uma centena de desaparecidos na região.



CYR//RBF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário