22 Outubro 2021, 10:37

Cidade de Barcelona compete com Pequim para Capital Mundial da Arquitetura 2026

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Barcelona, 12 jan 2021 (Lusa) – A cidade de Barcelona está a preparar a candidatura para acolher a Capital Mundial da Arquitetura e a reunião da assembleia geral da União Internacional de Arquitetos (UIA), para 2026, evento que irá disputar com Pequim, na China.


A vencedora das duas candidaturas irá ser decidida na próxima reunião da UIA, marcada para julho deste ano, no Rio de Janeiro, depois de ter sido adiada em 2020, devido às circunstâncias da pandemia covid-19.


O anúncio da candidatura espanhola foi feito na segunda-feira pelo município de Barcelona, que espera envolver toda a cidade no evento mundial, caso seja escolhida, destacando a importância da arquitetura e do urbanismo para a cidadania.


Segundo os promotores da candidatura, a realização da Capital Mundial da Arquitetura em Barcelona envolveria edifícios emblemáticos da cidade e várias instituições para mostrar o compromisso da cidade com “uma arquitetura mais social e sustentável”, de forma a enfrentar os desafios urbanísticos do futuro.


Barcelona espera também ser escolhida como uma das sedes da Nova Bauhaus Europeia 2022, uma incubadora de inovação promovida pela Comissão Europeia, para propor cidades desenhadas de forma mais sustentável e inclusiva.


Nesse sentido, Barcelona vai trabalhar num projeto com universidades, associações profissionais e entidades do setor privado da construção e urbanismo, para conseguir ser uma das localizações eleitas.


O Rio de Janeiro foi a primeira Capital Mundial da Arquitetura escolhida pela UIA e a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), numa parceria entre as duas entidades, na sequência da realização do 27.º congresso mundial dos arquitetos, na cidade brasileira.


No evento, a cidade contava receber mais de 20 mil pessoas de 60 países para palestras, seminários e exposições, mas os organizadores foram forçados a cancelar, devido ao avanço da pandemia no país, remarcando para julho deste ano.


O Rio de Janeiro espera ainda ser palco, este ano, de uma série de eventos sobre o tema “Todos os mundos. Só um mundo”, para promover o 11.º objetivo da Agenda Internacional 2030 para o Desenvolvimento Sustentável: “Tornar as cidades e aglomerados humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis”.


Segundo a organização da iniciativa, este ano, um dos temas previstos, a saúde urbana, deverá ganhar novo destaque, de modo a abarcar discussões sobre os papéis da arquitetura e do urbanismo face a grandes epidemias, como a do novo coronavírus.


Organização não-governamental com sede em Paris, a UIA foi fundada em Lausana, na Suíça, em 28 de junho de 1948, logo após o final da II Guerra Mundial, com o objetivo de unir e representar os arquitetos de todo o mundo, independentemente da nacionalidade, raça, religião ou opção arquitetónica, e representar as organizações nacionais.


Reúne atualmente organizações profissionais de 123 países e territórios, representando mais de 3,2 milhões de arquitetos em todo o mundo.


É a única organização mundial de arquitetura reconhecida pelas agências das Nações Unidas, como a UNESCO, a UN–Habitat e a Organização Mundial da Saúde, assim como pela Organização Mundial do Comércio.



AG // MAG


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário