26 Outubro 2021, 18:35

Cimeira Social: Macron diz que é necessário “mais dinheiro” para acompanhar as mudanças

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Porto, 07 mai 2021 (Lusa) — O Presidente francês, Emmanuel Macron, disse hoje que é “necessário mais dinheiro” e os estados poderem “decidir juntos” para acompanhar as “grandes transformações históricas”, nomeadamente ao nível da inovação e das qualificações.

“É necessário mais dinheiro e podermos decidir juntos para acompanhar as grandes transformações históricas que estamos a viver porque, se não for desta forma, é a adesão dos trabalhadores da nova geração e da sociedade que está em risco”, vincou Macron numa sessão de trabalho paralela à Cimeira Social, que decorre esta sexta-feira, no Porto, intitulada “Qualificações e Inovação”.

Além disso, o Presidente francês falou na importância de se “inventarem soluções” entre parceiros sociais e instituições ao nível do território para se acompanharem as atuais transformações.

Porque, de outra forma, existirão jovens com elevadas formações e sem as correspondentes ofertas de trabalho, sublinhou.

“Precisamos da Europa e da escada europeia para se obter financiamento complementar aos estados e o nível de reconhecimento que precisamos para conseguiremos o reconhecimento entre sistemas de formação, uma verdadeira mobilidade e um sistema que funcione a nível europeu”, referiu.

O Presidente francês acrescentou que é também necessário reindividualizar os direitos, assim como uma nova cooperação.

Na sua opinião, até agora não se fez o suficiente para acompanhar a transformação humana.

A dificuldade do momento atual, nomeadamente os choques assimétricos e crises, tal como a da pandemia de covid-19, passa por uma transição demográfica e climática que “varre” setores da economia e obriga à criação de novos empregos.

Emmanuel Macron frisou que durante anos se explicou aos cidadãos que a abertura internacional era uma “aventura formidável”, o que se traduziu em inovação e mudança, mas também em empregos extintos e deslocalizados porque nem sempre se soube acompanhar essa transformação.

A Cimeira Social decorre hoje no Porto com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da União Europeia, reunidos para definir a agenda social da Europa para a próxima década.

Definida pela presidência portuguesa como ponto alto do semestre, a Cimeira Social tem no centro da agenda o plano de ação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais, apresentado pela Comissão Europeia em março, que prevê três grandes metas para 2030: ter pelo menos 78% da população empregada, 60% dos trabalhadores a receberem formação anualmente e retirar 15 milhões de pessoas, cinco milhões das quais crianças, em risco de pobreza e exclusão social.

SVF (ANE) // MDR

Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário