21 Outubro 2021, 06:11

Cinco ilhas do sul do mar Egeu entre sete locais mais ameaçados da Europa em 2021

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Redação, 08 abr 2021 (Lusa) – Cinco ilhas no mar Egeu, o jardim Giusti em Verona, o mosteiro de Decani no Kosovo e a Capela de San Juan de Socueva na Cantábria constam dos sete locais mais ameaçados da Europa em 2021, foi hoje anunciado.


Os outros monumentos ou sítios mais ameaçados são a ferrovia a vapor de Achensee, no Tirol (Áustria), o complexo histórico do cemitério de Mirogoj, em Zagreb (Croácia), e os correios centrais em Skopje (Macedónia do Norte), segundo a lista divulgada hoje pela Europa Nostra.


O anúncio dos sete locais e monumentos mais ameaçados em 2021 foi feito durante um evento ‘online’ organizado por representantes da Europa Nostra e do Instituto do Banco Europeu de Investimento (BEI), com a participação da comissária europeia de Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, Mariya Gabriel.


Durante a cerimónia, o vice-presidente executivo da Europa Nostra, Guy Clausse, sublinhou que o objetivo da organização “é tocar o sino de alarme sobre as sérias ameaças que esses locais estão a enfrentar”.


“De um notável mosteiro medieval a um notável jardim renascentista, desde construções industriais e modernas até paisagens culturais icónicas: esses locais são testemunhos importantes do nosso passado partilhado, memória e identidade”, frisou.


Num momento em que a Europa vive uma crise sem precedentes, a “Europa Nostra deseja expressar a sua solidariedade e dar o seu apoio às comunidades locais em toda a Europa que estão determinadas a salvar esses tesouros patrimoniais ameaçados”.


Numa reação ao anúncio dos sete locais mais ameaçados em 2021, Mariya Gabriel disse que o património cultural é o passado, presente e futuro dos europeus.


“Faz parte de nossa identidade e reúne pessoas de todo o continente em torno de valores e experiências compartilhadas. É precioso e merece nossa máxima atenção e proteção”, referiu, acrescentando que través do programa de património e sítios mais ameaçados são colocados “os holofotes sobre o património europeu em perigo, consciencializando e abrindo caminho para um futuro viável para os locais selecionados”.


A seleção dos sete espaços foi feita com base no significado patrimonial e no valor cultural de cada um, bem como com base nas ameaças que enfrentam.


Os sete sítios são elegíveis para uma bolsa patrimonial do BEI de até 10.000 euros.


O valor do BEI pode ser alocado para ajudar na realização de uma atividade que contribua para salvar o local ameaçado.


Lançado em 2013, este programa faz parte de uma campanha da sociedade civil para salvar o património ameaçado da Europa no sentido de consciencializar e preparar avaliações independentes, assim como propor recomendações de ação.



CP // TDI


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário