09 Setembro 2022, 03:36

Cineasta brasileira Julia Murat vence Leopardo de Ouro do Festival de Locarno

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O filme “Regra 34”, terceira longa-metragem da realizadora brasileira Júlia Murat, conquistou o Leopardo de Ouro, prémio máximo do Festival de Cinema de Locarno, anunciou hoje o júri da competição principal, na cerimónia de encerramento.

Com um apelo à defesa da democracia, da diferença e do diálogo, e uma crítica ao “governo fascista” de Jair Bolsonaro, Júlia Murat agradeceu o prémio, recordando que o anterior e único Leopardo de Ouro conquistado por uma longa-metragem do cinema brasileiro data de 1967, quando distinguiu “Terra em Transe”, de Glauber Rocha, e o país se encontrava sob ditadura militar (1964-1984).

“Uma ditadura que durou mais 17 anos”, recordou Murat, desejando “sinceramente, que tenhamos agora uma história diferente” para contar. “Espero que sejamos capazes de parar a loucura deste governo fascista”, afirmou Julia Murat.

“Espero que este prémio ajude a nossa sociedade a compreender que precisamos de defender a democracia, mas também a diferença e que temos de apoiar o diálogo”, declarou a realizadora.

“Filme de coragem”, como o júri o definiu, “Regra 34” toma o nome de uma brincadeira dos primórdios da internet, quando se simulavam diferentes “regras” e a 34 dizia que “tudo o que existe no mundo tem uma versão pornográfica”.

No filme, Simone, uma jovem advogada negra de 28 anos, que pagou a faculdade com sessões de sexo online, candidata-se a um cargo de defensora publica, deixando o passado para trás. Porém, acaba por se debater com os seus próprios fantasmas, entre a pressão social e o seu próprio desejo.

Paralelamente, “Regra 34” aborda também o direito penal no Brasil, o moralismo que lhe está subjacente.

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

Sem comentários

deixar um comentário