06 Julho 2022, 03:55

Cinemateca apresenta em Paris clássicos do cinema mudo português

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A Cinemateca Portuguesa vai ter “carta branca” para apresentar filmes clássicos do cinema mudo português na Fundação Jérôme Seydoux-Pathé, em Paris, entre 09 e 29 de março, anunciou hoje a instituição sediada em Lisboa.

“Nesta carta branca, […] serão exibidos alguns dos filmes mais emblemáticos do período mudo do cinema português, desde as adaptações literárias de clássicos da literatura como ‘Amor de Perdição’ (Georges Pallu), a exemplos da influência das vanguardas europeias, como ‘Douro, Faina Fluvial’ (Manoel de Oliveira) ou ‘Maria do Mar’ (Leitão de Barros), passando pelas primeiras obras da Invicta Film assinadas por Rino Lupo (‘Mulheres da Beira’ e ‘Os Lobos’)”, adiantou a Cinemateca, em comunicado.

O ciclo acontece no contexto da Temporada Cruzada Portugal-França e vai contar com a presença do diretor da Cinemateca Portuguesa, José Manuel Costa, e do diretor do Arquivo Nacional das Imagens em Movimento (ANIM), Tiago Baptista, que dará uma conferência sobre “Conservar, Digitalizar e Mostrar o Cinema Mudo Português”, no dia 18 de março.

Um dia depois, a fundação “receberá uma mostra de imagens coloniais pertencentes à coleção da Cinemateca, num programa apresentado pela realizadora francesa Ariel de Bigault em contexto do festival L’Europe autour de l’Europe”.

Num texto publicado no ‘site’ da fundação, Tiago Baptista destaca “Maria do Mar” como o filme mais importante do ciclo, há muito considerado como “a melhor longa-metragem do cinema mudo português”, na sua versão restaurada com música original de Bernardo Sassetti.

“O equilíbrio entre modernidade e tradição, a fluidez entre documentário e ficção, fazem deste filme uma obra fundadora da história do cinema português e um marco do cinema mudo europeu”, escreveu o diretor do ANIM.

Sem comentários

deixar um comentário