09 Setembro 2022, 07:51

Combate ao incêndio na Serra da Estrela reforçado com quase 1.700 bombeiros

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Redação, 12 ago 2022 (Lusa) — O incêndio que deflagrou no sábado no concelho da Covilhã e alastrou para Manteigas, Gouveia, Guarda e Celorico da Beira teve um aumento de meios nas últimas horas e era combatido, pelas 00:30 de hoje, por 1.685 operacionais.


De acordo com a informação disponível às 00:30 no ‘site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), no terreno, na Serra da Estrela, combatiam as chamas 1.685 bombeiros, apoiados por 517 meios terrestres.


Pelas 22:30 de quinta-feira, segundo o ‘site’ da ANEPC encontravam-se no local 1.572 bombeiros, com o apoio de 491 viaturas.


Com início na madrugada de sábado nos concelhos da Covilhã (distrito de Castelo Branco) e de Manteigas, o fogo atingiu na tarde de quarta-feira também Gouveia e Guarda e passou esta quinta-feira, a meio da manhã, para o concelho de Celorico da Beira.


O capotamento de uma viatura dos bombeiros de Loures na zona de Celorico da Beira (Guarda), durante o combate ao incêndio, provocou esta quinta-feira três feridos graves e dois ligeiros, segundo a Proteção Civil.


Segundo comandante nacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), Miguel Cruz, o acidente ocorreu no concelho de Celorico da Beira, no distrito da Guarda, que era ao final da tarde “a zona mais complicada” do teatro de operações.


“Vamos continuar a trabalhar para conjugar todas as oportunidades da noite e continuar a fazer um esforço para o mais cedo possível poder debelar o incêndio, tendo em linha de conta, sempre, a segurança dos profissionais e das populações”, salientou.


Na conferência de imprensa, o segundo comandante nacional da ANEPC relatou que a tarde “foi de muito trabalho” devido, sobretudo, à orografia e ao vento que “provocaram preocupações”.


Para as operações durante a noite, Miguel Cruz disse que se esperava “alguma redução da intensidade do vento”, sendo expectável que haja “oportunidades para poder vir a controlar” o fogo.


Este era às 00:30 o único fogo ativo em Portugal continental que mobilizava um grande número de meios.


No terreno, em incêndios em resolução ou extintos, encontravam-se 332 bombeiros, apoiados por 99 viaturas.


Vinte e cinco concelhos dos distritos de Bragança, Guarda, Coimbra, Castelo Branco, Leiria e Portalegre estiveram na quinta-feira hoje em risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).



DMC (CCC/SO) // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário