26 Janeiro 2022, 08:58

Comissão para estudo de abuso sexuais na igreja divulga plano de ação

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 10 jan 2022 (Lusa) — A Comissão Independente para o Estudo de Abusos Sexuais na Igreja Católica em Portugal apresenta hoje, em Lisboa, o plano de trabalho que orientará a sua ação até final do ano, quando deve apresentar um relatório sobre a situação.


Na sua apresentação como coordenador da comissão, em 02 de dezembro de 2021, o pedopsiquiatra Pedro Strecht apelou às vítimas para que falem sobre os abusos que sofreram, vincando a “utilidade” da partilha desses casos para evitar repetições futuras, sem deixar de assegurar o “absoluto respeito e sigilo”, bem como o anonimato das vítimas.


Strecht alertou, no entanto, que a equipa não vai fazer investigação de natureza criminal, ao mesmo tempo que realçou a vontade da Igreja de saber a verdade.


De acordo com o pedopsiquiatra, o trabalho desta comissão independente vai decorrer ao longo deste ano, num espaço físico “descaracterizado” e “autónomo” da Igreja, estando prevista a apresentação de um relatório em dezembro. O financiamento dos trabalhos será assegurado pela Comissão Episcopal Portuguesa (CEP), mas estará aberto a eventuais contribuições de outras instituições.


Por sua vez, o presidente da CEP, o bispo José Ornelas, reivindicou a importância de se trilhar “um caminho de verdade, sem preconceitos nem encobrimentos” para a Igreja Católica portuguesa.


O também bispo de Setúbal reforçou o interesse da Igreja em apurar a verdade, mas evitou traçar expectativas sobre as descobertas e conclusões da comissão, a quem garantiu que terá meios de trabalho.


Na conferência de imprensa de hoje, marcada para o final da tarde na Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa), Pedro Strecht vai aproveitar o momento para apresentar também publicamente os restantes membros do grupo de trabalho, que integra o psiquiatra Daniel Sampaio, o antigo ministro da Justiça Álvaro Laborinho Lúcio, a socióloga e investigadora Ana Nunes de Almeida, a assistente social e terapeuta familiar Filipa Tavares e a cineasta Catarina Vasconcelos.



JLG (JGO) // ZO


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário