14 Maio 2022, 14:46

Comissário europeu diz no Brasil que o mundo não pode perder mais florestas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Brasília, 29 abr 2022 (Lusa) – O comissário europeu para o Ambiente, Virginijus Sinkevicius, afirmou hoje que o mundo “não se pode dar ao luxo de perder mais florestas”, depois de se reunir com uma comissão do Senado brasileiro, onde se encontra em visita oficial.


Sinkevicius apelidou de “construtiva” a reunião que teve com membros da comissão do ambiente da Câmara Alta, na qual discutiram o papel do parlamento na proteção dos ecossistemas e, em particular, da Amazónia, de acordo com o órgão legislativo.


Numa mensagem publicada no seu perfil na rede social Twitter, o comissário europeu afirmou que “é possível reduzir drasticamente a desflorestação, com planos e objetivos claros”, que visam desenvolver “um modelo económico sustentável”.


O responsável disse ainda que “o mundo não se pode dar ao luxo de perder mais florestas” e precisa de “uma economia brasileira saudável”.


Na quinta-feira, um relatório publicado pela Global Forest Watch (GFW), plataforma de monitorização de florestas em todo o planeta, indicou que o Brasil liderou o mundo em perdas nas florestas tropicais em 2021.


De acordo com o relatório, cerca de 3,75 milhões de hectares de floresta tropical primária desapareceram em todo o mundo no ano passado, dos quais o Brasil representava 1,5 milhões de hectares, na sua maioria na região amazónica.


Foi precisamente no coração do ‘pulmão do planeta’ que o comissário iniciou a sua visita ao Brasil no dia anterior, chegando da Colômbia.


Foi na cidade de Manaus, onde se encontrou com autoridades locais, representantes da sociedade civil e membros de tribos indígenas da região.


Esta sexta-feira em Brasília, Sinkevicius será recebido pelas autoridades governamentais, incluindo o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque.


Visitará também a sede da Organização do Tratado de Cooperação Amazónica, composta por Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela, que se dedica à discussão de iniciativas comuns para a região.



MIM (CYR) // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário