04 Fevereiro 2023, 18:21

Condenadas três pessoas a 30 anos de prisão por conspiração para matar Maduro

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Caracas, 04 ago 2022 (Lusa) — A justiça da Venezuela condenou a 30 anos de prisão, a pena máxima no país, três pessoas, incluindo dois militares, acusadas de conspirar para assassinar o Presidente venezuelano Nicolás Maduro em 2018, anunciaram familiares.


O coronel aposentado Juan Francisco Rodríguez, o antigo major Juan Carlos Marrufo e a mulher de Marrufo, Maria Delgado Tabosky, foram condenados na sexta-feira por “terrorismo, traição à pátria e associação criminosa”.


A decisão foi tomada numa sessão de julgamento que começou na noite de quinta-feira e terminou na manhã de sexta-feira, disse à agência France-Presse um familiar dos arguidos.


Maria Delgado Tabosky é ainda irmã de Osman Delgado Tabosky, acusado pelo governo Maduro de ter financiado o atentado e fornecido dois drones (aeronaves não tripuladas), a partir dos Estados Unidos.


Um dos drones provocou duas explosões na Avenida Bolívar, no centro de Caracas, durante uma parada militar para assinalar o 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar), a escassos metros de um palco onde estavam Maduro e outros altos representantes governamentais e militares, em 04 de agosto de 2018.


O Grupo de Trabalho da ONU sobre Detenção Arbitrária disse em 2019 que as detenções de Maria Delgado Tabosky e Juan Carlos Marrufo foram “arbitrárias”. O casal estava detido há três anos e oito meses na capital venezuelana, Caracas.


Em agosto, o Tribunal Especial Primeiro contra o Terrorismo tinha condenados outros 17 arguidos, incluindo um ex-deputado da oposição e três militares, no mesmo caso.


O tribunal condenou 11 homens a 30 anos de prisão, a pena máxima permitida pela legislação venezuelana. Entre os arguidos encontravam-se três mulheres, duas delas condenadas a 24 anos de prisão.


A cerimónia de 04 de agosto de 2018 estava a ser transmitida em direto pelas rádios e televisões venezuelanas, quando ocorreram as duas explosões.


Antes da televisão venezuelana suspender a transmissão foi possível ainda ver o momento em que militares romperam a formação para retirar as individualidades oficiais presentes no local.


Várias pessoas ficaram feridas nas explosões.



VQ (FPG) // VQ


Lusa/Fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário