24 Setembro 2021, 09:24

Conselho de Administração da Lusa aprova nova estrutura organizacional

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 01 jun 2021 (Lusa) – O Conselho de Administração da Lusa aprovou hoje a nova estrutura organizacional, que mantém Luísa Meireles como diretora de informação, Mónica Garcia como diretora comercial e de ‘marketing’ e designa Cátia Araújo como diretora de áreas de suporte.


A nova estrutura organizacional e funcional da Lusa entra em vigor a partir de hoje.


O novo presidente do Conselho de Administração da Lusa, Joaquim Carreira, comprometeu-se na segunda-feira a lançar as “primeiras bases” de um modelo estável de financiamento, que garanta à agência de notícias uma maior autonomia e independência de gestão.


“A gestão orçamental criteriosa tem de continuar a ser uma prática fundamental, visando uma posição económica e financeira sustentável”, que permita o financiamento para o segundo semestre de 2021, a implementação do Orçamento 2021/23, hoje aprovado, e a celebração do novo contrato-programa com o Estado, avançou então Joaquim Carreira.


Numa nota enviada aos trabalhadores da agência, o novo presidente do Conselho de Administração, que substituiu Nicolau Santos, elencou entre as metas a atingir a candidatura da Lusa a “programas internacionais, nomeadamente ao Plano de Recuperação e Resiliência” (PRR), e o lançamento das “primeiras bases para um modelo estável de financiamento, de modo que haja uma maior autonomia e independência na gestão”.


No dia em que se realizou a assembleia-geral que nomeou os novos órgãos sociais, Joaquim Carreira reconheceu ainda que as “condições difíceis e que a falta de quadros” impedem a Lusa de “fazer melhor, como um todo”.


“Todos conhecem os circunstancialismos da nossa ação, mas tudo farei para que seja exequível contratar, de modo a dar mais estabilidade à redação. Nada será possível de uma só vez, mas prometo que na minha agenda estará sempre o reforço do trabalho da redação”, assegurou.


O presidente da Lusa pretende ainda promover um “amplo debate sobre todas as formas de discriminação de acordo com os valores intrínsecos da Lusa e apresentar um plano de medidas, quer a nível interno quer a nível externo, a ser implementado para fazer face a este flagelo”, assim como manter a aposta na modernização tecnológica da agência e na sua transformação digital.


Os acionistas da Lusa elegeram na segunda-feira Joaquim Carreira presidente da agência de notícias e aprovaram o Plano de Atividades e Orçamento (PAO).


Entre os pontos que estavam na ordem de trabalhos da reunião magna estavam a eleição dos novos órgãos sociais, a aprovação do PAO e a remuneração dos órgãos sociais.


No que respeita aos novos órgãos sociais, os acionistas elegeram Joaquim Carreira, que era até à data diretor de áreas de suporte da Lusa, cujo nome tinha sido indicado pelo acionista maioritário Estado.


Foram ainda eleitos Paulo Saldanha, em representação da NP – Notícias de Portugal, e Helena Ferro de Gouveia, em nome da Global Media.


No entanto, o Conselho de Administração não ficou completo, faltando ainda os ministérios das Finanças e da Cultura indicarem os seus representantes.


A reunião para eleger estes dois últimos representantes está agendada para 14 de junho.


O Estado detém 50,15% da Lusa, estando o restante capital repartido entre a Global Media (23,36%), a Impresa (22,35%), NP – Notícias de Portugal (2,72%), Público (1,38%), RTP (0,03%) e Empresa do Diário do Minho (0,01%).


No início do ano, a Impresa anunciou a celebração de um contrato-promessa com a Páginas Civilizadas, empresa do grupo Bel, do empresário Marco Galinha, que é acionista da Global Media e seu presidente, para a venda da sua posição na Lusa, por 1,25 milhões de euros.



ALU(PC) // CSJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário